Hotelaria

Está lançada a primeira pedra daquele que será o primeiro Hotel Moov da cidade de Lisboa, localizado na zona nobre do Parque das Nações. O projeto representa um investimento de 10 milhões de euros e tem inauguração prevista para 2022. 

Este é uma das principais novidades do Grupo Endutex no segmento hoteleiro. O Moov Oriente vai instalar-se num dos principais centros de negócios e entretenimento de Lisboa, mantendo o espírito que caracteriza a marca – uma solução de alojamento prática, cómoda e económica para quem viaja a trabalho, mas também a lazer.   

A quinta unidade do grupo em Portugal vai ser também a maior, com um total de 180 quartos disponíveis. Uma aposta estratégica, “já que nesta zona, conhecida pelo grande movimento de passageiros que chegam do aeroporto, mas também da estação ferroviária e rodoviária, a procura ainda é maior que a oferta. Por outro lado, sentimos que há poucas soluções a preço justo, pelo que queremos preencher essa lacuna”, afirma André Ferreira, administrador da Endutex  

Moov Oriente não foi a primeira investida do Grupo Endutex a sul. No concelho vizinho de Oeiras já se encontra em funcionamento o Moov Oeiras, localizado nas imediações dos movimentados Lagoas Park e Taguspark. São 115 quartos, divididos por 8 pisos, com tarifas desde os 54€ por noite (ocupação dupla). O objetivo é afirmar-se como principal solução, nesta zona, para estadias curtas e flexíveis.   

Num momento em que o setor hoteleiro enfrenta grandes desafios, o Grupo Endutex reitera a confiança na sua ambiciosa estratégia de crescimento. De acordo com André Ferreira, “temos em carteira vários projetos para este segmento, não apenas com a abertura de novos hotéis, mas sobretudo na introdução de novos conceitos de alojamento, que serão anunciados em breve. Os nossos clientes estão diferentes, pelo que é muito importante repensar estratégias, melhorar conceitos e preparar o futuro da hospitalidade”.   

Além da estreia a sul, o Grupo Endutex prepara-se para reforçar a sua presença internacional, com a construção do segundo hotel Moov no Brasil, em Porto Alegre, no emblemático Cinema ASTOR. A nova unidade, já em fase de conclusão, vai contar com 149 quartos, distribuídos por 10 andares. A abertura está prevista ainda para o primeiro semestre deste ano. 

O Marriott Bonvoy, programa de fidelidade da Marriott International, lança recentemente uma nova versão do seu aplicativo móvel para oferecer aos membros novas facilidades e experiências sem contato. A atualização inclui novas opções de reserva com a menor tarifa disponível, incluindo o aluguer da Homes & villes by Marriott International, passeios e atividades nos diferentes destinos; e experiências personalizadas. O aplicativo permite ainda que o hóspede tenha uma estada totalmente sem contato, oferecendo check-in e check-out online, acesso virtual à chave do quarto e a possibilidade de solicitar serviços e comodidades.

A Vice-Presidente Sénior Digital da Marriott International, Leigh Zarelli, acrescenta “O aplicativo Marriott Bonvoy Mobile é um companheiro de viagem obrigatório. Ele simplifica o processo de planeamento de viagens e permite uma experiência mais tranquila antes e durante a estada. Através das ofertas personalizadas, os membros podem aprender como ganhar milhares de pontos apenas reservando estadas ou fazendo compras diárias, como alimentos para viagem ou itens para sua casa”.

Marriott International anunciou a inauguração antecipada do JW Marriott Hotel Shanghai Fengxian, sendo o 50º hotel Marriott International a ser inaugurado em Xangai.

Localizado na Baía de Hangzhou, no distrito litorâneo de Fengxian, a apenas 1 hora de carro ao sul da região metropolitana de Xangai, o novo hotel promete ser um santuário sofisticado e luxuoso, bem como uma porta de entrada para Xangai e cidades próximas, como Hangzhou e Suzhou.

Desenhado  pela empresa de design internacional PLD, o estilo da narrativa do hotel é inspirado no ambiente natural, com seu exterior imaginado como o lendário pássaro Roc, da fábula “Roc pulando no mar”. O interior está repleto de materiais naturais, como madeira e mármore em formas onduladas e curvílineas para refletir as ondas do mar do leste nas proximidades.

Com 266 quartos e suites em tons relaxantes de azul ecoam as praias e o mar, com linhas modernas e limpas e todas projetadas para o conforto e conveniência dos hóspedes.

A oferta de comidas e bebidas do hotel inclui 3 restaurantes distintos e um bar, com menús e produtos recém-colhidos do jardim do hotel, o JW Garden.

O JW Kitchen, restaurante aberto o dia todo, oferece um menú tentador de pratos locais e internacionais em estações de cozinha ao vivo, incluindo uma churrasqueira a carvão com as carnes e frutos do mar mais frescos. O restaurante requintado Yan Xuan, com 15 salas de jantar elegantes para eventos privados, serve iguarias cantonesas e de Xangai combinadas com chás chineses perfumados.

O impacto da pandemia Covid-19 sobre a atividade da HotelShop foi evidente, dado o seu efeito para o turismo – setor que representa uma fatia importante da atividade da central de compras.

Esta entidade agregadora de compradores reagiu de pronto às novas circunstâncias, focalizando a sua atenção no apoio à aquisição de produtos, equipamentos e serviços de proteção contra a Covid-19, tendo lançado e atualizado semanalmente, desde o início da pandemia, um catálogo desses materiais, com preços especiais negociados junto de dezenas de produtores e distribuidores deses bens, e apoiando na seleção dos mais adequados e legalmente aprovados.

Por outro lado, foi dado um maior enfoque ao apoio à instituiçõe sociais, de tal forma que, desde meados de 2020, se verificou um crescimento tanto do número de sócios como do volume de compras dos associados da área social, a qual veio ajudar a compensar a redução da atividade do setor hoteleiro.

É de salientar que, em consequência, se inverteu a proporção de atividade dos hotéis e das instituições sociais (IPSS) na central de compras, tendo o volume de compras das IPSS representado dois terços do total, no ano findo.

No final de 2020 a central de compras integrava já com 567 unidades hoteleiras e instituições sociais – mais 20 do que em 2019. Este facto é de realçar, pois demonstra a maior relevância dada à gestão de custos em épocas de crise.

Mesmo com a quebra de compras de associados verificada em 2020, ainda assim a HotelShop conseguiu movimentar cerca de 10 milhões de euros em compras (menos 38% do que em 2019), e obteve para os seus associados reduções de custos de cerca de 1,5 milhões de euros no mesmo período, ajudando assim o desafio de resiliência – e por vezes de sobrevivência – que muitos enfrentam nesta época de crise pandémica tão brutal para as pessoas e para a economia.

O campo de Golfe de Belas Clube de Campo regista um aumento de 7,4% de voltas no último trimestre de 2020, quando comparado com o período homólogo de 2019. Destaca-se também o número de voltas, face ao mesmo período, que registam um aumento de cerca de 1000 voltas atingidas.

Apesar do impacto sentido com a pandemia, a prática de golfe, por ser uma atividade praticada ao ar livre e em contacto com a natureza, registou uma procura crescente, não só em número de voltas, como também em novos jogadores e mais jovens, justificando os resultados positivos neste período.

O Belas Clube de Campo arranca, também, o ano de 2021 com a renovação do apoio ao profissional Miguel Gaspar, aluno desta academia. Esta parceria insere-se na estratégia do golfe que passa por investir na formação, através da academia de golfe, realização de torneios e nos apoios aos profissionais oriundos da academia do Belas Clube de Campo.

Miguel Gaspar, realça que “o apoio do Belas Clube de Campo, em especial num ano atípico como 2020, foi fundamental para o meu desempenho durante a época, um pouco por todo o mundo, e para o meu desenvolvimento enquanto jogador. Será sempre um privilégio representar o Belas Clube de Campo, clube com quem tenho uma grande relação emocional de há muitos anos. Continuarei a dar o meu contributo na formação de novos jogadores do Clube, incentivando a prática da modalidade ao longo deste ano”.

Para Paul Saunders, Diretor de Golfe do Belas Clube de Campo, “nunca tínhamos sentido um aumento como o que aconteceu no verão de 2020. Numa altura em que, devido à pandemia, as atividades desportivas ao ar livre ganham relevância e registam um aumento na procura, o Belas Clube de Campo investe também em diversas melhorias efetuadas no campo de golfe. Os dados de ocupação e o número de voltas atingidas, maioritariamente, nos últimos cinco meses do ano, que registam os melhores números de sempre, vêm comprovar a preferência dos praticantes na eleição do campo do clube, reforçando assim a qualidade do mesmo a nível nacional e em particular na região de Lisboa”.

No seguimento da sua política de sustentabilidade, a Planbelas anunciou em 2020 um investimento de um milhão de euros em tecnologias sustentáveis para manutenção do campo de golfe e espaços verdes. O objetivo deste investimento é aumentar a produtividade e reduzir a emissão de gases poluentes e, através de novas soluções tecnológicas, mais sustentáveis, eficientes e silenciosas, melhorar o consumo e o desempenho, ao mesmo tempo que assegura o silêncio, uma das características do Belas Clube de Campo.

Com mais de 20 anos, fundado em 1998, o campo de golfe do Belas Clube de Campo, considerado um dos melhores de Portugal, foi desenhado pelo arquiteto William “Rocky” Roquemore e surgiu numa altura em que havia poucos campos de Golfe na região de Lisboa. Marcou a diferença pelo seu traçado original, inserido entre colinas e vales, numa envolvente florestal deslumbrante e a uma curta distância da capital Lisboeta.

O Grupo líder no destino Serra da Estrela, com seis unidades hoteleiras e de animação, anunciou recentemente que a partir deste ano só utilizará eletricidade 100% verde, após ter concretizado um contrato de fornecimento de energia 100% renovável com a Audax Renovables, a juntar à produção própria das centrais fotovoltaicas instaladas e a instalar este ano nos seus hotéis.

Luís Veiga, administrador executivo do Grupo salientou ainda: “O nosso Grupo assumiu perante os seus clientes, hóspedes, parceiros e sociedade em geral que será um exemplo de boas práticas e protagonista do processo de transformação energética na hotelaria nacional. O imperativo da sustentabilidade económica, social e sobretudo ambiental faz parte da cultura do Grupo e assim continuará!” concluiu.

A prestação vínica do Tejo continua a dar que falar. Depois da boa prestação do último ano no que toca à certificação de Vinhos do Tejo é agora a vez da Comissão Vitivinícola Regional do Tejo (CVR Tejo) dar nota que é da região o melhor vinho branco do ‘Concurso de Vinhos CA 2020’. A este galardão de Grande Ouro soma-se uma mão cheia de tintos premiados com Medalha de Ouro.

Feitas as contas, foram seis os Vinhos do Tejo que integrarem a lista de vencedores da 7.ª edição desta competição, organizada pelo Crédito Agrícola em parceria com a Associação dos Escanções de Portugal. Assim, o ‘Quinta da Atela 2018’, produzido em Alpiarça na propriedade homónima, foi o grande vencedor no que toca à categoria de brancos, tendo sido um dos três néctares a receber Grande Medalha de Ouro – um branco, um tinto e um espumante.

No que toca às Medalhas de Ouro, a lista de Vinhos do Tejo é composta por cinco vinhos, todos eles tintos: ‘Casal das Freiras Reserva 2018’, do Casal das Freiras; ‘Côro Syrah & Touriga Nacional Reserva 2017’, da Quinta do Côro; ‘O Mordomo Touriga Nacional Reserva 2019’, do Solar dos Loendros; ‘Quinta da Badula Reserva 2015’, da quinta com o mesmo nome; e ‘Zé da Leonor Reserva 2019’, da Casa Agrícola Rebelo Lopes. Os enófilos que queiram comprar estes premiados vinhos, podem fazê-lo contactando directamente os produtores, através dos seus sites – e lojas on-line – ou dos contactos disponíveis nas suas redes sociais. Estes contactos podem também ser consultados em www.vinhosdotejo.pt. Alguns destes néctares estão também à venda nas lojas on-line de garrafeiras, em super e hipermercados e no Marketplace dos Vinhos do Tejo, em https://vivaovinho.shop/vinhosdotejo/.

Segundo dados revelados pela organização, a 7.ª edição do Concurso de Vinhos do Crédito Agrícola reuniu 183 vinhos, entre espumantes, brancos e tintos, com origem em 109 produtores das várias regiões vitivinícolas do país. O júri distinguiu 58 vinhos: um espumante, um branco e um tinto com Grande Medalha de Ouro e 55 vinhos com Tambuladeira dos Escanções de Portugal em Bronze, Prata e Ouro. As provas cegas foram realizadas em Lisboa, nos passados dias 27 e 29 de Novembro, por um júri composto por reconhecidos escanções, enólogos, enófilos e jornalistas do sector. Vinhos do Tejo Premiados no 7.º Concurso de Vinhos do Crédito Agrícola Grande Medalha de Ouro

  • Quinta da Atela branco 2018 (Quinta da Atela)

Medalha de Ouro – Tambuladeira dos Escanções de Portugal

  • Casal das Freiras Reserva tinto 2018 (Casal das Freiras)
  • Côro Syrah & Touriga Nacional Reserva tinto 2017 (Quinta do Côro)
  • O Mordomo Touriga Nacional Reserva tinto 2019 (Solar dos Loendros)
  • Quinta da Badula Reserva tinto 2015 (Quinta da Badula)
  • Zé da Leonor Reserva tinto 2019 (Casa Agrícola Rebelo Lopes)

Um galo marinado em vinho verde, esparregado, crocante de batata e um pickle de cebolinha deram o primeiro lugar a Pedro Cruz no Minho Young Chef Awards 2020 (MYCA) . O jovem de 18 anos foi o grande vencedor do evento que juntou o talento dos estudantes de gastronomia da região minhota.

A terceira edição do MYCA – Minho Young Chef Awards aconteceu dia 17 de dezembro na renovada praça de alimentação do Mercado Municipal de Braga.  “Foi um desafio conseguir encaixar as provas de sala e bar com as de cozinha, mas penso que no final  o resultado foi fantástico. Proporcionamos um trabalho de equipa mesmo entre diferentes escolas.”, afirmou Rafael Oliveira.

Pedro Cruz, da ETAP, foi o vencedor da categoria de Chef de Cozinha, com o prato inovador “Galo Contradição”. Pedro inspirou-se na cidade de Barcelos e na primeira refeição que confecionou com o avô. “Escolhi o usar o galo para representar a minha cidade e para honrar o meu avô e o primeiro prato que cozinhei com ele”, explica.

O domínio técnico e do storytelling foi fundamental para a atribuição do prémio ao Pedro. “O Pedro foi um concorrente que se destacou pela originalidade, técnica e preservação dos sabores e aromas tradicionais”, explica António Loureiro, presidente de júri.

A Andreia Costa, da Escola Profissional Amar a Terra Verde, foi a vencedora da categoria de Chef de Sala e Bar. O “Cocktail Jardim de Amores” foi o elemento preferido da jovem de Vila Verde, confecionado com vinho verde, Gin Valley e um xarope de laranja.

Esta edição contou ainda com a atribuição do Prémio Território ao André Carvalho que confecionou uma sopa seca à moda do minho porque, explica o jovem, “é um prato pouco conhecido mas que representa muito bem a região minhota”.

O chef estrela Michelin, António Loureiro, foi um dos membros dos júris que avaliou os seis pratos que os três participantes executaram. O restante júri de cozinha foi composto pelo chef Renato Cunha, chef Francisco Pavão, chef José Vinagre, Carlos Fernandes, Rui Miguel e pelo vencedor MYCA 2019, Rui Meira.

Este ano, o MYCA contou com novos prémios: o Melhor Serviço de Mesa para Mário Gonçalves, a Melhor Harmonização de Vinho e Cerveja para a Andreia Costa e o Melhor Serviço de Cafetaria para a Cátia Gonçalves. Os prémios foram oferecidos pela Letra, Soalheiro, Cafés Christina e Novumdux.

O evento decorreu dia 17 de dezembro no Mercado Municipal de Braga e Rafael Oliveira afirma que “a aproximação dos jovens chefs aos produtores locais foi muito bem conseguida e é uma experiência a repetir nos próximos anos”.

Um dos mais prestigiados refúgios gastronómicos do país, a Fortaleza do Guincho assegurou nesta segunda-feira a manutenção da sua estrela Michelin. O triunfo no guia Michelin 2021 Espanha/Portugal vem sublinhar a qualidade do trabalho feito pela equipa do restaurante da Fortaleza do Guincho, liderada por Gil Fernandes.

Para o jovem chef, a renovação da distinção é fruto da consistência que caracteriza a Fortaleza do Guincho há quase vinte anos. “Nós mantivemos a estrutura tanto a nível do menu como da equipa, assegurando todos os standards de qualidade. Em 2021, seguiremos o nosso caminho, assente no sabor, na qualidade do produto português, na apresentação e no serviço, proporcionando experiências felizes aos nossos clientes“, assegura.

A Fortaleza do Guincho recebe assim a insígnia de uma estrela Michelin pelo 19º ano consecutivo – premiado pela primeira vez em 2001, é o mais antigo restaurante do país em atividade a ter recebido tal distinção, que simboliza “uma cozinha de grande delicadeza pela qual merece a pena parar”.

Para os inspetores do guia vermelho, a cozinha do chef Gil Fernandes “encontra inspiração no mar” e constrói-se “sempre tendo por base os melhores produtos, cuidadas apresentações e uma perfeita execução; tudo numa linha gastronómica atual que, na sua essência, valoriza as raízes do receituário tradicional português”.

Um desejo para o final de 2020? Regressar à Fortaleza do Guincho para desfrutar de uma experiência gastronómica inesquecível.

 

Packs disponíveis para o Natal e Réveillon:

Menu de degustação no dia 24 de dezembro (jantar) e 25 de dezembro (almoço e jantar) – 105 €/pax sem harmonização de vinhos ou 150 €/pax com harmonização de vinhos.

Programa de réveillon com duas noites de alojamento com pequeno-almoço, jantar de réveillon com vinhos selecionados e brinde de Champanhe à meia-noite – 980 €/2 pax em quarto Courtyard com vista parcial praia ou 1.100 €/2 pax em quarto superior com vista mar

Jantar de réveillon com vinhos seleccionados – 295€/pax

As reservas devem ser feitas com antecedência para o email reservations@guinchotel.pt ou para o número de telefone 214 870 491.