Artigos

#TuPodes – Visita Muito Por Pouco é a nova iniciativa que visa estimular a procura turística interna na época baixa e que conta com uma dotação orçamental de 50 milhões de euros.

Em visitaportugal.pt estarão disponíveis centenas de experiências turísticas e gastronómicas, alojamento, visitas a museus e viagens de comboio, a preços acessíveis, que podem incluir descontos até 50%.

Neste Programa de Incentivo à Procura Interna, empresas e entidades públicas juntaram-se para criar as soluções mais vantajosas para que os portugueses tenham oportunidade de conhecer melhor o seu país. Trata-se de um esforço partilhado, em que as promoções são comparticipadas em partes iguais pelas empresas e pelas entidades públicas.

As ofertas estarão disponíveis online, até 15 de dezembro, através de plataformas dedicadas a diferentes tipologias de serviços turísticos, como é o caso:

  • Explora Portugal, que permite a reserva de experiências turísticas e gastronómicas, de todo o país e que abrange diferentes temas como aventura, natureza, património, cultura, gastronomia e vinhos, família, cidades e mar;
  • Click2PortugalBookinXisto e Solares de Portugal com oferta de alojamento de Hotelaria, Aldeias de Xisto e Turismo no Espaço Rural;
  • Museus e Monumentos Nacionais geridos pela Direção Geral do Património Cultural e viagens de comboio da CP-Comboios de Portugal.

No curto prazo será também possível reservar estadias em unidades de alojamento local.

O Programa de Incentivo à Procura Interna é mais uma iniciativa do Governo para apoiar o turismo, na sequência das medidas de apoio às empresas do setor e da criação de instrumentos de financiamento específicos, decorrente do impacto do surto pandémico.

Estimular a procura interna, proporcionar um incentivo à procura em época baixa e criar hábitos de consumo de turismo em Portugal são os objetivos deste novo programa, que é um instrumento de política pública para alavancar a retoma da economia, apoiar o negócio das empresas turísticas e a manutenção do emprego.

Coordenado pelo Turismo de Portugal, o programa inclui uma forte campanha de divulgação junto dos órgãos de comunicação nacionais, regionais e locais e que corresponde à 2.ª fase da campanha de turismo interno #TuPodesVisitaPortugal, lançada no passado mês de junho.

Vídeos:

Visita Portugal. #TuPodes mostrar-me o teu caminho  https://youtu.be/8esy12oHRkQ

Visita Portugal. #TuPodes dar me a tua mão  https://youtu.be/wXFy8tr_lsg

Visita Portugal. #TuPodes tornar o meu sonho real https://youtu.be/Cfb90EAXD6k

A Linha de Apoio às Microempresas de Turismo vai ser reforçada para uma dotação máxima disponível para financiamento de 90 milhões de euros, assegurado por saldos de gerência do Turismo de Portugal, I.P.

Esta é uma medida destinada a reforçar o apoio às microempresas numa altura em que muitas delas reiniciam a sua atividade, sendo necessário um esforço financeiro para assegurar que esse reinício seja adequado e sustentável.

O reforço permite alargar o âmbito desta Linha a outras atividades económicas com relevo para o turismo, ao mesmo tempo que se intensifica o seu auxílio mediante a previsão de conversão de uma parte do financiamento em incentivo não reembolsável, associada ao objetivo de manutenção do emprego.

Os resultados registados até hoje pela Linha de Apoio às Microempresas de Turismo confirmam a pertinência, oportunidade e adequação do respetivo modelo de funcionamento. É que, no espaço de pouco mais de dois meses, mais de 5 mil empresas viram as suas candidaturas aprovadas, com um financiamento associado de cerca de 40 milhões de euros, das quais mais de 90% já receberam integralmente o apoio concedido e contratado.

A Rede de Escolas do Turismo de Portugal recebeu a certificação TedQual da Organização Mundial de Turismo (OMT), a primeira que a organização atribui a nível mundial a uma rede de escolas com estas características.

Esta certificação é válida por dois anos e tem como principal objetivo, além de reconhecer a qualidade da formação proporcionada pelas Escolas do Turismo de Portugal, promover a melhoria contínua da formação e investigação em turismo, definindo um standard de critérios que garantem a qualidade dos projetos educativos das 12 Escolas que constituem a Rede Escolar do Turismo de Portugal.

Reconhecimento nacional e internacional, acesso a um conjunto significativo de estudos e informação especializada, integrar uma rede mundial de instituições de ensino e formação em turismo, acesso a projetos de formação, cooperação e desenvolvimento internacionalmente reconhecidos quer para alunos, quer para docentes e equipas diretivas, são algumas das múltiplas e variadas vantagens desta certificação.

O processo iniciou-se em setembro de 2019 com os necessários procedimentos de autoavaliação, sendo posteriormente avaliado pelos peritos da OMT através de auditorias presenciais que incidiram sobre três cursos lecionados em todas as escolas da rede – Gestão e Produção de Cozinha, Gestão de Restauração e Bebidas e Gestão Hoteleira de Alojamento.

A auditoria realizada pela OMT analisou com especial detalhe cinco áreas: a coerência do plano de estudos, as condições pedagógicas (incluindo metodologias e infraestruturas), a gestão da Rede e das Escolas que a compõem, o corpo docente e a adequabilidade do programa de estudos às necessidades e perspetivas futuras do sector.

Estão abertas, até ao dia 11 de setembro, as candidaturas em 2.ª fase (destinada a preencher vagas em aberto) para alguns dos cursos das Escolas do Turismo de Portugal.

Para o ano letivo de 2020/2021 o processo de recrutamento de alunos é feito exclusivamente online e gratuito para alunos nacionais e estrangeiros – https://escolas.turismodeportugal.pt/

O Portugal Health Passport foi renovado e está agora disponível para todos os que visitam Portugal. A plataforma, desenvolvida pelo Health Cluster Portugal, em estreita articulação com o Turismo de Portugal, reúne um vasto conjunto de serviços de saúde privados dirigidos a turistas.

Os turistas que planeiem vir a Portugal poderão solicitar o seu health passport através do site PortugalHealthPassport, o que lhes garante a possibilidade de realização do teste Covid19 e o acesso, a preços previamente fixados, a cuidados de saúde urgentes de elevada qualidade ou a check-ups de cinco tipologias diferentes, na rede de hospitais e clínicas da CUF, Hospital da Luz, HPA Saúde e Lusíadas.

Tratando-se de mais um importante instrumento para afirmar Portugal como destino turístico, a rede das Equipas de Turismo no exterior não deixará de o incluir nas ações e iniciativas que desenvolve nos principais mercados.

De acordo com o diretor executivo do Health Cluster Portugal, Joaquim Cunha, “a prática clínica em Portugal é já uma referência internacional entre pares.  Este é o momento para que esta perceção seja também transversal à população. A reposta que demos no pico da pandemia deu-nos destaque internacional, que garante segurança a quem nos visita ”.

Já Luís Araújo, Presidente do Turismo de Portugal, considera que “esta parceria reforça a existência de uma oferta turística que observa rigorosos protocolos de higiene e controlo sanitário “Clean & Safe” e que, complementarmente, apresenta uma oferta de serviços médicos e hospitalares de elevada qualidade, disponíveis de norte a sul do país, incluindo a ilha da Madeira, junto das unidades dos principais grupos hospitalares privados em Portugal. É neste contexto que conseguimos restabelecer a confiança dos turistas e impulsionar a tão necessária retoma do setor”.

O Turismo Médico em Portugal tem potencial para gerar um volume de negócios superior a 100 milhões de euros/ano, sendo a saúde um ativo emergente na estratégia Turismo 2027 e um polo de desenvolvimento do país.

A primeira Área de Serviço para Autocaravanas (ASA) em território nacional, localizada em Ponte de Sor – Alentejo, foi hoje inaugurada pela Secretária de Estado do Turismo, marcando o arranque do Programa de Ação que visa a criação das condições e a promoção de um Autocaravanismo sustentável. Numa altura em que a procura por este tipo de turismo tem vindo a registar um aumento significativo, este Programa de Ação prevê, até ao final de 2021, a criação de uma rede nacional inteligente de áreas de serviço para autocaravanas – Life Campers -, com mais e melhor informação disponibilizada aos turistas e um reforço da fiscalização e sancionamento das práticas ilegais. O projeto está a ser iniciado no Alentejo e Ribatejo, em 27 municípios que apresentaram 41 candidaturas ao apoio financeiro no âmbito do Programa Valorizar, para criação ou requalificação de ASA nos respetivos territórios, de forma concertada com a ERT Alentejo que apresentou uma candidatura âncora para o desenvolvimento de ações de divulgação, sensibilização, animação, capacitação, gestão e coordenação da iniciativa na região. Estas 28 candidaturas iniciais representam um investimento global de 3 milhões de euros, e um apoio financeiro aprovado de 2 M€. O objetivo é o alargamento do projeto a todo o país, com a abertura de novas linhas de apoio do Programa Valorizar e em articulação com as várias Entidades Regionais de Turismo. Nestas áreas de serviço, em funcionamento permanente 24 horas por dia, os autocaravanistas encontram espaços destinados ao estacionamento e pernoite das autocaravanas, que asseguram o fornecimento de energia elétrica, bem como de abastecimento de água e despejo de resíduos sólidos. Além da cobertura de todo o território nacional, a gestão destes espaços será em rede, através da ligação a uma plataforma eletrónica comum que permite a sua georreferenciação, informação atualizada sobre os serviços disponíveis em cada ASA, monitorização da ocupação e reservas online. Em paralelo, estão previstas ações de sensibilização dirigidas aos autocaravanistas no sentido de divulgar as boas práticas da modalidade, e também, um reforço da fiscalização e do sancionamento de situações ilegais, tendo sido estabelecidos protocolos de colaboração com a GNR, PSP, Autoridade Marítima Nacional e ICNF (Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas). A campanha de sensibilização Life Campers apela à necessidade de respeito pelo território, o ambiente e as populações locais, à utilização de locais adequados para estacionamento e pernoita e à adoção de boas práticas nesta modalidade. Trata-se de uma campanha colaborativa, com conceito e imagem do Turismo de Portugal, para ser utilizada por todos os parceiros (empresas de aluguer de caravanas, ERT, ASA, etc.) através de diversos materiais informativos e promocionais. O Turismo de Portugal, em colaboração com a Federação de Campismo e Montanhismo de Portugal e as Associações do setor, desenvolveu também um Guia de Boas Práticas de Sustentabilidade para o Autocaravanismo, e está a implementar boas práticas sanitárias para a prática desta modalidade, alinhadas com as orientações da DGS, com formação às empresas e colaboradores no âmbito da iniciativa Clean & Safe. O autocaravanismo é um segmento em franco crescimento, em Portugal e na Europa. Cerca de 80% dos autocaravanistas são estrangeiros – na sua maioria alemães, franceses e espanhóis -, reformados e apreciadores da cultura e gastronomia dos destinos que visitam, bem como do comércio local. Preferem viajar nas épocas média e baixa, contribuindo positivamente para o combate à sazonalidade, e têm maior apetência pelas localidades costeiras, nomeadamente, litoral alentejano e algarvio.

Estão abertas as candidaturas às Escolas do Turismo de Portugal, até 15 de julho, através de um processo exclusivamente online e gratuito para alunos nacionais e estrangeiros, em http://escolas.turismodeportugal.pt/.

Cozinha, Pastelaria, Restauração e Bebidas, Turismo de Natureza e Aventura, Turismo Cultural e do Património, Hotelaria/ Alojamento e Gestão de Turismo, são alguns dos cursos disponíveis nas 12 escolas do Turismo de Portugal que apostam num programa formativo abrangente, focado no talento das pessoas, no desenvolvimento de soft skills, na inovação e na internacionalização dos profissionais do turismo, como base do sucesso do setor em Portugal.

Face aos desafios dos últimos meses, as 12 escolas da rede do Turismo de Portugal têm vindo a introduzir mudanças significativas na sua organização e metodologia de formação. Forçadas a uma mudança repentina e confrontadas com a necessidade de criar novas soluções, as escolas reforçaram os seus projetos de transformação digital, criando soluções de ensino à distância que serão a base para as mudanças introduzidas no próximo ano letivo.

Assim, em 2020/2021 serão desenvolvidos projetos de escola virtual, com a criação de serviços de suporte online, nomeadamente, suporte pedagógico, apoio ao estudo, desenvolvimento pessoal e criativo, entre outros serviços, sem a necessária presença física na escola.

Todos os cursos de especialização tecnológica terão uma modalidade de ensino online, onde se prevê que 15% a 20% da carga horária teórica seja realizada neste regime. Serão também iniciados programas formativos em regime de e-learning e b-learning, com recurso a uma plataforma específica e com ofertas próprias, de que é exemplo um curso inédito de Iniciação à Prova de Vinhos com arranque previsto para julho. 

Através da disponibilização de percursos mais flexíveis, que conjugam formação online e formação presencial, reduzindo os períodos de permanência física na escola, pretende-se também reforçar a atratividade internacional das escolas.

A internacionalização da oferta formativa continua a ser uma das vertentes das Escolas do Turismo de Portugal, no próximo ano letivo, através da cooperação internacional com outras escolas e formadores no desenvolvimento de projetos online e formação complementar online.

Todas as mudanças implementadas têm estado a ser acompanhadas por um plano de capacitação das equipas das escolas e de formação de formadores, que garante o desenvolvimento de novas competências digitais e de novos métodos e estratégias de aprendizagem a distância.

Através da sua rede de 12 escolas, o Turismo de Portugal forma mais de três mil alunos por ano, sendo este um dos pilares da atuação da Autoridade Turística Nacional que contribui, assim, para a competitividade e qualidade do serviço prestado pelas empresas e agentes do setor.

O Turismo de Portugal, em articulação com o Conselho Nacional da Indústria do Golfe (CNIG), desenvolveu a possibilidade de também os Campos de Golfe aderirem à iniciativa Clean & Safe.

Os Campos de Golfe que pretendam obter o selo “Estabelecimento Clean & Safe” devem cumprir o conjunto de disposições presentes na «Declaração de Compromisso», acessível no site do CNIG – http://www.cnig.pt/pt/selo-clean-safe/como-solicitar-o-selo-clean-safe/.

O selo, gratuito e válido até 30 de abril de 2021, exige a implementação de um protocolo interno que, de acordo com as recomendações da Direção-Geral da Saúde, deve assegurar o distanciamento social e higienização necessária para evitar riscos de contágio e garantir os procedimentos seguros para o funcionamento das atividades turísticas, incluindo agora a experiência de golfe.

Sendo Portugal um destino de golfe mundialmente reconhecido, é muito relevante que estes equipamentos também possam ostentar a garantia Clean & Safe, assumindo o compromisso do cumprimento dos requisitos de higiene e segurança sanitária e transmitindo aos golfistas, nacionais e estrangeiros, a confiança que estes procuram para a sua experiência de golfe.

Após validação por parte do CNIG, os Campos de Golfe aderentes ficam com a possibilidade de utilizar o selo nas suas instalações físicas e nos canais e plataformas de divulgação e venda.

Com esta iniciativa o Turismo de Portugal pretende transmitir às empresas informação sobre as medidas mínimas necessárias de higiene e limpeza dos estabelecimentos, mas sobretudo, promover Portugal como destino seguro, do ponto de vista dos cuidados a observar para uma cuidada e eficaz manutenção das condições que evitem a propagação do novo coronavírus, numa atuação concertada, com o envolvimento de todas as empresas do setor e apelando à responsabilidade de todos.

A elevada adesão, com mais de 4.500 selos disponibilizados até ao momento, evidencia de modo muito significativo o compromisso das empresas portuguesas em acolher os turistas em segurança.

O Turismo de Portugal, em parceria com o Sindicato Nacional da Atividade Turística, Tradutores e Intérpretes (SNATTI) e a Associação Portuguesa dos Guias-Intérpretes e Correios de Turismo (AGIC), desenvolveu a possibilidade de também os Guias Intérpretes aderirem à iniciativa Clean & Safe.

Os profissionais que pretendam obter o Selo Clean & Safe devem frequentar o programa de formação especialmente desenvolvido pelo Turismo de Portugal para esta situação, que consiste numa sessão formativa de 2 horas, destinada exclusivamente a Guias Intérpretes. Os formandos recebem posteriormente um “Certificado de Formação Clean & Safe”, numerado e emitido pelo Turismo de Portugal, que deverá ser enviado para a respetiva associação ou sindicato, através do e-mail cleanandsafe@snatti.com ou cleanandsafe@agicportugal.com, concretizando assim a adesão ao Selo. Após estes procedimentos, recebem o novo cartão profissional de Guia Intérprete já com a insígnia da iniciativa Clean & Safe, bem como a sua versão digital para poder ser utilizado nos canais de divulgação.

Os profissionais que não estão inscritos no SNATTI nem na AGIC, podem também frequentar a formação e solicitar a uma destas duas entidades a emissão do selo Clean & Safe, seguindo os mesmos trâmites.

O selo, gratuito e válido até 30 de abril de 2021, reconhece os Guias Intérpretes que cumprem as recomendações da Direção-Geral da Saúde de forma a assegurar o distanciamento social e higienização necessária para evitar riscos de contágio e garantir os procedimentos seguros para o funcionamento das atividades turísticas.

Com esta iniciativa o Turismo de Portugal pretende transmitir às empresas informação sobre as medidas mínimas necessárias de higiene e limpeza dos estabelecimentos, mas sobretudo, promover Portugal como destino seguro, do ponto de vista dos cuidados a observar para uma cuidada e eficaz manutenção das condições que evitem a propagação do coronavírus, numa atuação concertada, com o envolvimento de todas as empresas e profissionais do setor e apelando à responsabilidade de todos.

A elevada adesão, com mais de 4.500 selos disponibilizados até ao momento, evidencia de modo muito significativo o compromisso das empresas portuguesas em acolher os turistas em segurança.

Numa altura em que se prepara a retoma do setor, os empreendimentos turísticos, empresas de animação turística e agências de viagem (empresas que possuem registo junto da Autoridade Turística Nacional) podem solicitar a declaração como Estabelecimento “Clean & Safe”. O Turismo de Portugal criou um selo para distinguir as atividades turísticas que asseguram o cumprimento de requisitos de higiene e limpeza para prevenção e controlo da Covid-19 e de outras eventuais infeções, reforçando, assim, a confiança do turista no destino.

Este reconhecimento tem a validade de um ano, é gratuito e opcional, e exige a implementação nas empresas de um protocolo interno que, de acordo com as recomendações da Direção-Geral da Saúde, assegura a higienização necessária para evitar riscos de contágio e garante os procedimentos seguros para o funcionamento das atividades turísticas.

O selo “Clean & Safe” pode ser obtido online, a partir de dia 24 de abril, nas plataformas digitais do Turismo de Portugal: RNET (Registo Nacional dos Empreendimentos Turísticos), RNAAT (Registo Nacional dos Agentes de Animação Turística) e RNAVT (Registo Nacional dos Agentes de Viagens e Turismo) e estará sempre associado ao número de registo da entidade.

Depois de submetida a Declaração de Compromisso por parte das empresas, estas podem utilizar o selo “Clean & Safe”, quer fisicamente nas suas instalações, quer na sua presença nas plataformas digitais.

O Turismo de Portugal, em coordenação com as entidades competentes, irá realizar auditorias aleatórias aos estabelecimentos aderentes.

Com esta medida a Autoridade Turística Nacional pretende, não apenas transmitir às empresas informação sobre as medidas mínimas necessárias de higiene e limpeza dos estabelecimentos, como promover Portugal como destino seguro do ponto de vista de cuidados com a propagação do Vírus, com uma atuação coordenada por parte de todas as empresas do setor e que se alargará brevemente a outras áreas de atividade conforme inúmeras manifestações de interesse.