Notícias

Paula Morgado Lino é a nova diretora de operações do Lisbon Marriott Hotel

Paula Morgado Lino é a nova responsável pela operação do Lisbon Marriott Hotel, que pertence ao grupo Sotéis, localizado na Av. dos Combatentes, em Lisboa.

Licenciada em Gestão Hoteleira e Turismo pela Universidade de Gestão Hoteleira do Estoril (2010-2013) e Pós-Graduação em Gestão Hoteleira e Turismo pela Universidade Cornell.

Com uma sólida carreira profissional e mais de 12 anos de experiência em gestão hoteleira, Paula possui uma ampla visão do mercado hoteleiro, tendo desenvolvido soluções criativas e eficazes de gestão no negócio através da implementação e desenvolvimento de processos inovadores por várias unidades hoteleiras de renome em diferentes países.

Antes de integrar a equipa do Lisbon Marriott, foi diretora de F&B no PGA Catalunya Golf & Welness Resort (entre 2017 e 2019), esteve no Sandals Royal Bahamian, na capital das ilhas das Bahamas, onde desempenhou funções de F & B Manager( 2016).

Anos antes, passou pelo novo Sandals Resorts International Barbados e no Crowne Plaza Shanghai na China.

“Este é um momento muito importante na minha carreira e um grande desafio regressar a Portugal, passados tantos anos. È com imenso entusiasmo que volto a fazer parte de um grande grupo hoteleiro – Marriott International – cuja identidade e valores de empresa me identifico e sinto que posso ajudar ainda mais a superar os elevados padrões de qualidade e serviço de excelência que caracterizam o Lisbon Marriott Hotel, com foco constante na satisfação e fidelização dos clientes.” – afirma a nova diretora de operações do Lisbon Marriott Hotel.

Segunda conversa “Be Our Guest” tem lugar no dia 27 com João Pedro Figueira

Segunda conversa “Be Our Guest” tem lugar no dia 27 com João Pedro Figueira, Diretor de Operações da Ace Hospitality Management 

Iniciativa da ADHP regressa para debater as “Boas Práticas no controlo de custos de uma unidade hoteleira”. As inscrições encontram-se abertas 

No dia 27 de junho terá lugar a segunda conversa da iniciativa “Be Our Guest”, o novo projeto da ADHP – Associação dos Diretores de Hotéis de Portugal que promove conversas informais com diretores de hotéis de referência sobre as suas experiências profissionais, a hotelaria e o setor do turismo. As conversas “Be Our Guest” decorrem sempre nas últimas segundas-feiras de cada mês, às 19h.

A segunda conversa está agendada para as 19h do dia 27, via Zoom, e recebe João Pedro Figueira, Diretor de Operações da Ace Hospitality Management. A moderação ficará a cargo de Fernando Garrido, Presidente da ADHP. Em discussão estará o tema “Boas Práticas no controlo de custos de uma unidade hoteleira”.

A inscrição para a segunda conversa “Be Our Guest” deve ser efetuada através de um breve formulário. As inscrições são limitadas. 

Depois do sucesso da primeira conversa, queremos dar continuidade a este valioso momento de partilha. Iniciativas como o «Be Our Guest» permitem que os profissionais da direção hoteleira ampliem os seus conhecimentos de um modo mais informal e direto, baseado numa conversa em que os vários participantes podem colocar questões e tirar o maior proveito da experiência do convidado”, refere Patrícia Correia, dirigente da ADHP responsável pelo projeto “Be Our Guest”.

João Pedro Figueira, teve o primeiro contacto com a hotelaria através de um estágio curricular no Lapa Palace durante a licenciatura em Gestão Hoteleira. Participou na abertura do Pestana Palace e do MYRIAD. No Grupo SANA, assumiu funções de Executive Assistant Manager e, mais tarde, integrou a task force para o lançamento do EVOLUTION Lisboa. Foi, também, Diretor Geral do EVOLUTION Lisboa e do EPIC SANA Algarve. Desde 2019, na altura com apenas 42 anos, assume a Direção de Operações na Ace Hospitality Management, até hoje, empresa dedicada à Gestão de Hotéis desde a fase de projeto ao acompanhamento da operação. contando no seu portfólio com mais de 11 Hotéis associados a marcas de prestígio internacional (Hilton, Marriott, Wyndham, IHG). Em 2018, foi distinguido com um Prémio Xénio, pela ADHP, o qual o reconheceu como Jovem Diretor do Ano.

Primeira conversa “Be Our Guest”, com Mário Candeias

Primeira conversa “Be Our Guest”, com Mário Candeias, debateu o papel dos diretores de hotéis para a criação de valor para os acionistas 

Conversa inaugural teve lugar no dia 30 de maio, via Zoom, e contou com o General Manager do Espinas Hotel Group, no Irão. ADHP disponibiliza-a, agora, no YouTube 

Decorreu, no dia 30 de maio, com início às 19h, a primeira conversa do novo projeto da ADHP, “Be Our Guest” – um ciclo de conversas informais com diretores de hotéis de referência sobre as suas experiências profissionais, a hotelaria e o setor do turismo.

Para a conversa inaugural, Patrícia Correia, dirigente da ADHP e responsável pelo projeto “Be Our Guest, recebeu Mário Candeias, General Manager do Espinas Hotel Group, no Irão. Em discussão esteve o tema “Gestores de hotéis como empreendedores e principais geradores de valor para os acionistas”.

A ADHP disponibilizou o “Be Our Guest” com Mário Candeias no seu canal de Youtube em: https://youtu.be/qCcdIA8agIU 

Em diálogo constante com as pessoas que assistiam à conversa, Mário Candeias abordou temáticas como os recursos humanos, a obtenção de conhecimentos diferenciadores, a formação dos profissionais da direção hoteleira e a gestão de carreiras. O profissional partilhou, também, a sua experiência profissional na hospitalidade iraniana.

O diretor de hotéis, com cerca de 30 anos de experiência no setor do turismo, sublinhou a importância da “componente comportamental” na formação dos profissionais. Para Mário Candeias, é imperativo “criar uma cultura em que os membros de uma equipa leem e se expressam a partir das melhores fontes de informação”, que incluem, além dos jornais sobre hotelaria e turismo, informação económica e de negócios em geral.

A integração na cultura do hotel ou da cadeia, bem como o conhecimento detalhado de unidades flagship, de tendências, de tecnologia de viagens e de marcas, são, para o gestor, fatores catalisadores de sucesso no capítulo comportamental.

O profissional abordou, também, a formação hoteleira em Portugal, considerando que as escolas e os conteúdos pedagógicos carecem de “atualização”. Mário Candeias destacou a necessidade de as escolas hoteleiras portuguesas perceberem “o verdadeiro formato da indústria e quem são os benchmarks”, para que possam incorporar conhecimentos diferenciados nos percursos curriculares. Para o General Manager do Espinas Hotel Group, conhecimentos a nível de corporate finance, imobiliário, fusões e aquisições, e direito tornaram-se cada vez mais importantes para a valorização dos profissionais da direção hoteleira.

No entanto, o General Manager do Espinas Hotel Group assinalou a importância de a atualização de conhecimentos partir, também, do próprio profissional. Abordando esta questão, Mário Candeias destacou o estudo de conceitos da área corporativa, financeira e económica, e a absorção do jargão de corporate management como ativos fundamentais para o desenvolvimento pessoal dos diretores de hotéis e para a sua valorização como gestores de ativos.

Os diretores de hotéis têm de ser vistos também como gestores de ativos. A grande parte dos diretores de hotéis são meramente diretores de operações e devem dar o salto do nível das operações para a gestão a nível corporativo”, explicou Mário Candeias.

As conversas “Be Our Guest” da ADHP têm lugar nas últimas segundas-feiras de cada mês, às 19h.

HotelShop ajuda hotéis a enfrentar inflação

Os hotéis portugueses estão a viver tempos muito estranhos…

É que, agora, com os hotéis cheios, aumentam os consumos de energia, de alimentos e de todos os outros consumíveis de que depende a sua operação.

Só que a inflação média – segundo o INE – vai nos 8%. E há bens essenciais a subir acima dessa percentagem: É o caso, entre outros, da energia, dos cereais, dos óleos, da panificação, das massas, da carne e dos produtos de papel.

Mas, que podem os hotéis fazer para minimizar o impacto dessa inflação?

A resposta de La Palice: “reduzir custos” de pouco serve se não for aprofundada… Porque essa redução não deve levar à redução da qualidade do serviço ao hóspede. Ou seja, não deve afetar a quantidade e qualidade de bens que o hóspede recebe (e paga).

Por isso, a resposta correta será: “comprar melhor”. E comprar melhor significa, desde logo, optar pelos fornecedores que não repassaram na totalidade os custos com matérias-primas para o preço final dos seus produtos.

É que cada fornecedor lida com a “sua” inflação de maneira diferente: Há quem repasse 100% dos seus aumentos de custos para o consumidor, mas há também que o faça só em 80%. E há que repasse 120%, aproveitando esta boa desculpa para aumentar as suas margens…

Esta diversidade pode e deve ser estudada pelo comprador profissional. Para minimizar o impacto da inflação “dos outros” na “sua” inflação.

Por cada aumento de preços proposto ou anunciado por um fornecedor é necessário avaliar se o mesmo é razoável ou não. E se não o for, há que avaliar alternativas: ao produto, à “engenharia do menu” e ao fornecedor.

A intervenção de uma central de compras como a HotelShop será valiosa nessa situação. Porque dispõe de staff em quantidade e qualidade para fazer essas avaliações, que são complexas e morosas, e, igualmente, porque detém poder negocial que lhe permite pressionar no sentido da redução de margens de fornecedores mais “ambiciosos”.

Em resumo: A utilização de uma central de compras permite limitar os efeitos da inflação ao mínimo, e premiar os fornecedores mais focados nos interesses dos clientes.

Em tempos de subida elevada de preços, essa pode ser a chave para o sucesso do hotel.

E convém não esquecer que 1% poupado nas compras vale mais que 1% ganho na ocupação.

Se calhar parece estranho…Mas é assim!

Costa Verde e Siro no apoio ao Hospital Pediátrico de Coimbra – CHUC

A Costa Verde, em colaboração com a empresa Leal & Soares, S.A., detentora da marca Siro, desenvolveram um projeto de produção criativa, tendo desafiado o Hospital Pediátrico de Coimbra e as crianças aí internadas, a desenvolveram decorações, que posteriormente foram reproduzidas em canecas. 

Com o tema “Não há Planeta B”, esta primeira coleção de 4 decorações, e numa edição limitada a 120 peças cada, foi hoje apresentada em Coimbra e na presença da Senhora Ministra da Saúde, Dra. Marta Temido, no decorrer do 2º PEDCARE SUMMIT HP-CHUC e 1º PEDCARE IBERICO, evento que irá decorrer até dia 3 de junho. 

A Costa Verde reforça a sua aposta num papel mais interventivo, neste caso, na área da saúde, sendo há já largos anos uma organização certificada pela norma SA 8000 – Responsabilidade Social, sendo o culminar de um conjunto de preocupações da empresa, tanto a nível ambiental como social, e que direta ou indiretamente interferem com a vida quotidiana das pessoas. 

Subscritora desde 2015 dos princípios da United Nations Global Compact, é compromisso da Costa Verde aceitar, apoiar e aplicar os seus valores fundamentais nas áreas dos direitos humanos, trabalho, meio ambiente e anticorrupção, estando igualmente alinhada com a Economia Verde, o relato de informação não financeira e a ODS – Aliança de Objetivos Sustentáveis.

Todo o dinheiro angariado nesta ação será doado ao Grupo de Educadoras de Infância do Hospital Pediátrico do Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra, com o objetivo de adquirirem materiais pedagógicos e outros.

Hilton vai lançar campanha de recrutamento direcionada ao público jovem

A Hilton vai lançar uma campanha de recrutamento direcionada ao público jovem – Millenials e Geração Z – com mais de 800 vagas de emprego disponíveis nos seus hotéis em toda a Europa. Em Portugal, a marca terá 85 posições disponíveis para diferentes áreas, como Food and Beverage, Front Office e Housekeeping.

O grupo hoteleiro conta com unidades em mais de 122 países em todo o mundo e sete em território nacional – o Conrad Algarve, Hilton Porto Gaia, Hilton Vilamoura As Cascatas Golf Resort & Spa, The Emerald House Lisbon – Curio Collection by Hilton, Boeira Garden Hotel Porto Gaia, Curio Collection by Hilton, DoubleTree by Hilton Lisbon – Fontana Park e o novo Se Catedral Hotel Porto, Tapestry Collection by Hilton – estando já a planear abrir sete novos hotéis nos próximos cinco anos, em Portugal.

A Hilton tem um forte compromisso na criação de uma cultura diversificada nos locais de trabalho e tem fomentado parcerias comunitárias. Em Portugal, a Hilton apoia atualmente seis instituições de caridade, como, por exemplo, a Fundação Salvador, em Lisboa, ou a Cruz Vermelha Portuguesa, em Vila Nova de Gaia. Classificou-se recentemente como #3 Best Workplace e como melhor empresa hoteleira em Portugal pela Great Place to Work®.

Após a realização de um inquérito exaustivo em Portugal a 1000 participantes entre os 18 e os 41 anos, os chamados Millennials e Geração Z, concluiu-se que no pós-pandemia o que os jovens mais valorizam no posto de trabalho são os horários de trabalho flexíveis, as oportunidades de viajar, a oportunidade de contribuir para um trabalho com propósitos específicos, a diversidade no local de trabalho e a interação social.

Os resultados indicam que o emprego perfeito deve incluir a capacidade de conhecer novas pessoas, experimentar diferentes funções e proporcionar um equilíbrio entre trabalho e vida privada. As organizações com políticas fortes em questões sociais e ambientais são suscetíveis de atrair 88% dos inquiridos com idades entre os 18-41 anos.

O inquérito revelou também que um local de trabalho diversificado e inclusivo é importante para 86% dos Millennials e Geração Z. Os inquiridos consideram que a ligação humana é mais importante do que nunca num mundo pós-pandémico, com 92% a valorizarem a interação social no trabalho. Além disso, 93% das pessoas entre os 18 e os 41 anos sentem que é importante para os empregadores ter políticas de bem-estar social fortes, com 27% a admitirem que pensaram em mudar de emprego no último ano, após refletirem sobre a sua saúde mental e bem-estar.

Outros fatores adicionais na procura do cargo perfeito incluíram oportunidades de desenvolvimento de carreira (95%), modalidades de trabalho flexível (93%), apoio à aprendizagem pessoal (93%) e reconhecimento pessoal (93%). As opiniões sobre trabalhar num cargo que oferece oportunidades de viagem internacional dividiram as gerações, sendo a Geração Z (65%) mais propensa do que os Millennials (45%) a procurar possibilidades de viajar num novo emprego.

Os resultados também identificaram que os inquiridos de 18 a 41 anos dão mais valor à oportunidade de construir a sua carreira numa organização (85%) do que seguir uma carreira através de uma deslocação contínua entre organizações (6%), com os restantes indecisos. Adicionalmente, 40% dos inquiridos mostram-se em consenso ao considerarem uma carreira em hotelaria – são atraídos pela capacidade de aprender novas competências (32%), conhecer novas pessoas de diferentes origens (28%), pelas múltiplas oportunidades de desenvolvimento de carreira (26%) e pela oportunidade de trabalhar no estrangeiro (25%).

Os resultados também identificaram que as profissões tradicionais como construtor (3%) ou professor (9%) já não são uma tendência, contrastando com a de influenciador digital (18%).

David Kelly, Vice-Presidente Sénior, da Hilton na Europa Continental afirmou: 

A nossa investigação mostra que a pandemia mudou a forma como pensamos o trabalho e sinto-me orgulhoso pela Hilton ter continuado a evoluir para satisfazer as necessidades em constante mudança da nossa equipa em Portugal. Lideramos com a cultura e estamos fortemente empenhados em criar um ambiente de trabalho verdadeiramente diversificado e significativo, onde as pessoas dispõem das ferramentas, tecnologia e cultura para libertarem todo o seu potencial”.

Sabemos que quando investimos na nossa equipa, os nossos hóspedes e comunidades também beneficiam. É por isso que estamos tão empenhados em proporcionar grandes benefícios, desde oportunidades de viagem que mudam vidas, até à garantia de um sentimento de pertença para cada membro da equipa – é assim que fazemos da Hilton um excelente local para trabalhar. Estamos entusiasmados por estar a recrutar 800 novos colaboradores em toda a Europa e 85 em Portugal, para os nossos sete hotéis, com uma grande variedade de posições, tais como chefs, rececionistas, engenheiros e mixologistas.”

A Hilton presta particular atenção ao bem-estar dos seus funcionários, oferecendo condições de trabalho atrativas, benefícios competitivos, grande reconhecimento e apoio no seu desenvolvimento pessoal e profissional.  A marca lançou um programa de descontos em viagens, Go Hilton, para membros de equipas, para as suas famílias e amigos, bem como programas de formação e aprendizagem contínuos, para ajudar cada colaborador a alcançar as suas aspirações de carreira.

Para mais informações sobre carreiras na Hilton, aceda a jobs.hilton.com.

The Ivens – Explorers Hotel distinguido

O hotel de charme – The Ivens – Explorers Hotel – um projeto de adaptação do palacete histórico do século XVIII em pleno Chiado, em Lisboa, propriedade da Fidelidade Property – marca que assegura a gestão dos investimentos imobiliários do Grupo Fidelidade –, acaba de ser distinguido nos prémios do SIL – Salão Imobiliário de Lisboa.

A distinção ao The Ivens – Explorers Hotel no SIL foi atribuída na categoria Melhor Reabilitação Urbana – Turismo 2022. 

Aliando elementos históricos com modernidade e espírito aventureiro, o The Ivens – Explorers Hotel resulta da reabilitação do antigo edifício da Rádio Renascença, situado no nº 14 da Rua Ivens, envolvendo também do nº 1 ao nº 5 da Rua Capelo. O palacete do hotel foi adquirido pela Fidelidade Property Europe à Radio Renascença, em junho de 2016, tendo em vista o reforço da carteira de imóveis do grupo Fidelidade, num projeto que previa a reconversão do edifício numa nova unidade hoteleira de referência da cidade de Lisboa. A obra de reabilitação do edifício, entregue à Constructora Sanjose, decorreu entre janeiro de 2017 e novembro de 2019. 

Com uma área bruta total e construção de cerca de 7.800 m2, o The Ivens ocupa aproximadamente cerca de 4.700 m2 de área bruta acima do solo e 3.150 m2 de área bruta abaixo do solo, o projeto distingue-se pela valorização patrimonial e cultural do edifício, respeitando a sua história e memória, através da reinterpretação do espaço localizado numa das zonas mais emblemáticas e tradicionais da cidade de Lisboa. 

A mesa de verão perfeita com a La Redoute

Com a chegada do tempo mais quente e com os dias mais longos, é natural que os convívios entre amigos sejam mais recorrentes, que se marquem jantares descontraídos com início ao final da tarde, ou mesmo que se agendem as tão esperadas cerimónias – como casamentos e batizados num ambiente leve, mas nem por isso menos requintado!

O primeiro desafio para uma mesa de verão perfeita é a escolha da mesa em si e das cadeiras. Se ainda não tem uma mesa na sua varanda, terraço ou jardim, a nossa sugestão é que opte por uma mesa modelar (que é extensível e se ajusta ao número de convidados e dimensões do espaço), ou por uma mesa em pedra que transmita leveza e crie um efeito dentro mas fora, ou ainda por uma mesa redonda de dimensões mais pequenas – que caiba em qualquer espaço e permita criar um ambiente intimista. Já na escolha das cadeiras, que acaba por ser influenciada diretamente pela escolha da mesa, pode recorrer a soluções mais práticas de encartar, se o espaço for reduzido, a opções mais confortáveis e acolchoadas, se o espaço for coberto, ou ainda a cadeiras mais campestres em palha entrançada, que irão condizer na perfeição com qualquer uma das escolhas de mesa.

Estabelecida a decisão anterior, ou caso já tenha uma mesa e cadeiras para este fim, o passo seguinte é a escolha dos pratos, talheres e copos. Parece uma escolha simples, mas nem sempre é fácil conjugar os vários elementos! Se o seu objetivo for criar uma mesa mais cerimoniosa, pode optar por loiça mais sóbria, por uns copos transparentes com uma forma mais conservadora e por uns talheres dourados que dão um toque especial. Se o plano for um brunch em família, já se pode permitir usar mais cor, optando por uns pratos azuis, uns copos com meio pé e por uma escolha de talheres prateados mais discreta. E ainda, se estiver a ansiar aquele jantar com amigos, que começa antes do por do sol, pode ainda ser mais arrojado e optar por uns pratos com dégradé de cor ou mesmo com forma de peixe, uns copos esverdeados e por uns talheres neutros. A imaginação não tem limites à mesa!

Por fim, para dar o toque final e delimitar bem o espaço de cada um dos convidados, não se esqueça da importância dos elementos decorativos e utilitários. Em relação a estes, se for uma ocasião mais formal, pode enveredar pela colocação de velas, se for um momento mais descontraído e divertido, pode colocar um vaso com uma planta e individuais alegres e ainda, se for um jantar entre amigos, não se esqueça dos individuais em palhinha e de uns porta guardanapos a condizer. Ao escolher alguns destes elementos, dependendo do modo como os conjuga, estará a criar mesas distintas a preceito de verão, dignas de um profissional.

Todas as opções acima apresentadas acabam por se destinar a tipologias de casa distintas e a ocasiões muito díspares. Mas uma coisa é certa, não existem motivos para não ter uma mesa de verão perfeita, basta ter ao seu dispor os elementos-chave e uma boa dose de imaginação e criatividade!

Barbot: Porque no exterior também nos sentimos em casa

Verão é tempo de usufruir ao máximo os dias de calor em espaços ao ar livre. Nesta época do ano, a casa dos portugueses estende-se aos jardins, pátios ou terraços. A marca tem a resposta perfeita para recuperar madeiras de exterior e materiais em ferro.

Chegou a época do ano de “sair” de casa. É tempo de usufruir dos espaços exteriores, mas antes é hora de pôr as mãos “à obra” e renovar os decks, mobiliário de jardim… para desfrutar ao máximo do ar livre.

A Barbot tem os aliados certos para os portugueses transformarem o exterior de uma casa, num local aprazível e confortável para os dias mais quentes. No catálogo de Carpintaria e Serralharia, lançado recentemente pela marca, encontra-se uma gama completa de esmaltes, vernizes e velaturas, para o melhor tratamento quer de madeiras (como decks ou mobiliário de jardim), quer de ferro (gradeamentos e portões). O Barbolux Acqua é um dos esmaltes disponíveis, resistente à luz e à intempérie, de fácil aplicação e boa lacagem, que permite resultados únicos sobre madeira e metal, quer em exteriores, quer em interiores. Já para o tratamento de madeiras, a marca apresenta o verniz

Prodex Aquoso, que confere um acabamento acetinado, é excelente na resistência à luz e intempérie e oferece alta durabilidade.

Para quem tem uma piscina a precisar de uma nova pintura pode recorrer à Barbot Piscinas, uma tinta acrílica aquosa, indicada para pintura de piscinas em betão. Com elevada aderência e cobertura, esta solução é ainda fácil de aplicar. Depois fica tudo pronto para os tão desejados mergulhos.

Desta forma, estão reunidas todas as condições para que transforme ou recupere o espaço exterior para os meses de verão e receber os amigos e familiares para momentos de partilha e descontração.

Novo passe turístico permite conhecer o Algarve sem limites

Já está disponível o passe turístico para viajar dentro do Algarve de forma mais fácil: o passe turístico de transporte que permite aceder a todas as linhas de autocarros “Vamus Algarve” já está à venda nos 20 postos de turismo da Região de Turismo do Algarve (RTA).

Sem um número limite de viagens, o passe turístico é válido por um período de três dias ou sete dias a partir da primeira validação nas linhas regulares “Vamus Algarve”, incluindo o serviço Aerobus, que liga o aeroporto de Faro ao centro da cidade e a Albufeira, Lagoa, Portimão e Lagos, e a nova linha EVA Cliffs Line, que transporta o viajante por alguns dos principais pontos turísticos do destino em modo hop on hop off.

O passe turístico de três dia tem um custo de 35 euros e o de sete dias pode ser adquirido por 45 euros na rede de postos de informação turística espalhados por toda a região, visitados anualmente por mais de meio milhão de turistas, excursionistas e residentes no Algarve.

“Ligamos o Algarve de uma ponta à outra” é a assinatura do serviço “Vamos Algarve”, pensado para residentes e turistas que procuram o autocarro como meio de transporte. A operar desde dezembro de 2021, o serviço trouxe à região uma oferta mais vasta, com novas linhas, horários e frota modernizada.

easyJet quer reduzir emissões de carbono com base na ciência “35% por 35”

Depois da easyJet ter aderido à campanha Race to Zero apoiada pela ONU em novembro do ano passado e de se ter comprometido a atingir emissões líquidas zero de carbono até 2050, a companhia aérea anuncia hoje a sua meta provisória de redução de carbono, uma melhoria de 35% da intensidade de emissões de carbono até ao ano 2035, numa base FY2020. Desde 2000, durante um período de 20 anos, a easyJet já reduziu num terço as suas emissões de carbono por passageiro, por quilómetro.

O alvo alinha-se com a via de descarbonização sectorial dos Alvos Baseados na Ciência (SBT) e foi submetido à iniciativa “Science-Based Targets” (SBTi) para validação. O SBTi é uma parceria entre o CDP, o United Nations Global Compact, o World Resources Institute (WRI) e o World Wide Fund for Nature (WWF), que orienta as empresas nas suas viagens de descarbonização, em conformidade com o Acordo de Paris. A easyJet trabalhou como parte do Technical Working Group (TWG) de especialistas dedicados da indústria e ONGs que forneceram contributos detalhados durante a fase de planeamento e em vários esboços da orientação e da ferramenta.

O SBTi exige que as companhias aéreas descarbonizem dentro do seu próprio funcionamento, não utilizando assim compensações de carbono fora do setor ou outros mecanismos baseados no mercado como o ETS (Emissions Trading Scheme).

A companhia aérea planeia alcançar este ambicioso objectivo através de uma combinação de renovação da frota, melhorias e eficiências operacionais, modernização do espaço aéreo e utilização de Combustível Sustentável para a Aviação.

A companhia aérea também está atualmente a finalizar o seu roteiro para as emissões líquidas zero de carbono até 2050. A partir de 2035, espera-se que a tecnologia de emissão zero de carbono desempenhe um papel fundamental e a easyJet está a trabalhar com parceiros de toda a indústria, incluindo a Airbus, Rolls-Royce, GKN Aerospace, Cranfield Aerospace Solutions e Wright Electric, em vários projetos dedicados a acelerar o desenvolvimento da tecnologia de aviões com emissão zero de carbono. Este é um esforço intersectorial e, como uma importante companhia aérea europeia, a easyJet não só fornece a perspetiva da companhia aérea e do cliente aos seus parceiros, mas também demonstra aos fabricantes de aeronaves que existe uma procura de aviões com emissão zero de carbono por parte das companhias aéreas.

A sustentabilidade é uma questão holística, pelo que, além de abordar diretamente as emissões de carbono provenientes dos voos, a easyJet está também a mitigar o impacto ambiental mais amplo das suas operações. Isto inclui:

  • Eliminar mais de 36 milhões de artigos de plástico de utilização única utilizados nos seus voos e continuar a assegurar que quaisquer resíduos residuais sejam reciclados tanto quanto possível, ao mesmo tempo que procura sempre mais formas de tomar medidas sustentáveis;
  • A introdução de novos uniformes de tripulação feitos a partir de garrafas de plástico reciclado. Quarenta e cinco garrafas vão para cada uniforme – com potencial para evitar que 2,7 milhões de garrafas de plástico acabem em aterros ou nos oceanos durante os próximos cinco anos. As peças de vestuário são fabricadas a partir de um material de alta tecnologia que é fabricado utilizando fontes de energia renováveis;
  • A sustentabilidade tem sido um fator chave na tomada de decisões sobre quais os fornecedores com quem a easyJet trabalha. Pela sua gama a bordo, a easyJet seleciona marcas que querem fazer a diferença, reduzindo a sua utilização de plástico e as suas emissões de carbono. Para apoiar um impulso para operar de forma mais sustentável, a produção de alimentos foi deslocada mais localmente, pelo que o produto percorrerá menos quilómetros para chegar ao seu destino, reduzindo a sua pegada global de carbono.

Galicia Meets Portugal reforça relações comerciais e institucionais no sector do turismo

Realiza-se, no dia 19 de maio, o evento Galicia Meets Portugal . Organizado pelo Cluster de Turismo da Galiza com o apoio da Xunta de Galicia-Axencia de Turismo de Galicia, o evento tem como grande objetivo a promoção da oferta turística da Galiza junto de uma seleção de operadores turísticos nacionais. Uma oportunidade para estreitarem relações comerciais com cerca de 30 operadores da Galiza e um incentivo para o desenvolvimento de negócios entre os dois países, a decorrer no espaço WOW, em Vila Nova de Gaia.

O evento Galicia Meets Portugal conta com a presença do Presidente do Cluster de Turismo da Galiza, Cesáreo González Pardal, do Presidente da Turismo do Porto e Norte de Portugal, Luís Pedro Martins, e do Vice presidente do Governo Regional da Galiza e Conselheiro Regional da Presidência, Justiça e Turismo, Alfonso Rueda Valenzuela, entre outros. Realiza-se, a partir das 19h00, no WOW em Vila Nova de Gaia, e inclui quatro grandes momentos:

  • Reuniões Business 2 Business (entre CEOs)
  • Jantar gastronómico galego da autoria do conceituado Chef Ivan Dominguez
  • Apresentação do Destino
  • Sorteio de experiências turísticas

Organizado com o objetivo de promover a oferta turística da Galiza, o Galicia Meets Portugal será uma excelente oportunidade para o reforço e para o desenvolvimento de relações  entre organismos oficiais, operadores turísticos e outros players do mercado, tendo como mote a oferta do destino e iniciativas como  o Ano Jacobeu 2021- 2022.