Lista de Produtos, Equipamentos e Serviços para a Hotelaria e Restauração

Costa Verde e a Fundação Luis Figo

A Fundação Luís Figo, em parceria com a Costa Verde, a Dentsu Creative e o ilustrador André Letria, acaba de lançar uma Campanha Solidária com uma coleção de peças únicas que tem como propósito melhorar os hábitos alimentares dos mais novos. Esta é uma causa urgente, num país cuja taxa de obesidade infantil ocupa os primeiros lugares da Europa.

Para o efeito foi desenvolvido um conjunto de peças que levam para a mesa conhecidos provérbios de forma divertida, incentivando boas escolhas para cada refeição e reforçando boas práticas alimentares.

Com um custo unitário de 5€, o valor angariado com a venda das 750 peças disponíveis reverte integralmente para a compra de cabazes de alimentos saudáveis que serão entregues a famílias acompanhadas pela Associação Cova do Mar, uma instituição sem fins lucrativos da Trafaria que desenvolve, entre outros, projetos de apoio social a famílias de comunidades excluídas, vítimas de calamidades públicas, migrantes, refugiados, ou em situações similares. A partir do dia 15 de dezembro, a Campanha Solidária estará disponível online em https://fundacaoluisfigo.pt/ e https://costa-verde.com/ , onde será possível adquirir as peças da coleção. Com esta iniciativa, a Fundação Luís Figo pretende contribuir para a consciencialização e prática de hábitos vida saudável.

A Costa Verde é uma empresa certificada pela norma SA8000 – Responsabilidade Social, reflexo da consciencialização de um conjunto de preocupações, tanto a nível ambiental como social, que direta ou indiretamente interfere com o quotidiano das pessoas. Uma vez que as suas decisões e iniciativas têm sempre em conta a comunidade onde se insere e o ambiente onde atua, a Costa Verde assume as suas responsabilidades sociais, considerando no exercício da sua atividade o respeito pelos direitos humanos, a proteção do ambiente, o cumprimento de normas sociais, respeito pelos valores éticos e o investimento na valorização pessoal dos seus colaboradores.

A Fundação Luís Figo, fundação sem fins lucrativos, foi criada em Março de 2003. O seu trabalho assenta na implementação de iniciativas e projetos, que visam contribuir para a melhoria das condições de vida e a criação de oportunidades de desenvolvimento das crianças e jovens desfavorecidos, em áreas tão diferentes como a Saúde, Educação, Desporto e integração Social. A Fundação estabelece parcerias com entidades privadas da sociedade civil e entidades governamentais para a concretização dos projetos a que se propõe ajudar. Paralelamente, organiza eventos com destaque mediático e internacional que têm como objetivo a angariação de fundos para projetos próprios e por si apadrinhados. Luís Figo é o fundador e rosto da Fundação com o seu nome.
https://fundacaoluisfigo.pt/

Factorial desmistifica a semana de trabalho de 4 dias

  • Equilíbrio entre a vida pessoal e profissional – Os colaboradores ficam com mais tempo para aproveitar a vida fora da empresa, a fazer o que gostam com os amigos e família.
  • Aumento da produtividade – Um maior equilíbrio entre a vida pessoal e profissional aumenta a produtividade e a motivação para trabalhar.
  • Gestão eficiente do tempo – Os colaboradores têm de ter maior foco e atenção na concretização das suas tarefas por terem menos horas semanais disponíveis.
  • Diminuição do impacto ambiental – A pegada ecológica de cada colaborador é reduzida, por exemplo, ao não existirem deslocações para o trabalho.
  • Redução de custos – Pois há sempre um dia por semana em que nenhum colaborador está a usufruir dos equipamentos para concretizar as suas tarefas, nem a utilizar eletricidade e água.
  • Regime não aplicável a todas as empresas – Há várias indústrias que trabalham 24/7, pelo que este regime não é concretizável para eleas.
  • Difícil adaptação – Adaptar as tarefas diárias apenas a quatro dias de trabalho pode ser um desafio para algumas empresas e profissionais.
  • Desenvolvimento de novas skills – A gestão eficiente do tempo, o foco e a atenção são algumas skills que os colaboradores vão ter que desenvolver para manterem os níveis de produtividade, e tal pode não ser fácil (pelo menos inicialmente).
  • Risco da diminuição da satisfação do cliente – Há menos um dia disponível para atender os clientes, o que pode levar a mais uma barreira entre eles e a empresa.
  • Má aplicação deste regime de trabalho – O objetivo não é concretizar em quatro dias o que necessita de ser realizado em cinco, por isso, ou a legislação é bastante clara, ou há o risco de haver uma abordagem errada a este modelo e stress adicional sobre os colaboradores.
  1. Colocar o foco nos resultados do trabalho (em vez de nas horas trabalhadas)
  2. Fazer um planeamento semanal cuidado, definindo objetivos claros e realistas e priorizando tarefas
  3. Reduzir as reuniões semanais, para que os colaboradores possam dedicar a maior parte do seu tempo a perseguir os resultados e a gerir eficazmente o seu tempo
  4. Considerar soluções tecnológicas e digitais – como por exemplo soluções que permitem automatizar os processos, ou soluções de atendimento automatizado (para empresas que precisam de estar disponíveis para os clientes durante os cinco dias úteis da semana)
  5. Avaliar a experiência para compreender verdadeiramente se teve sucesso e deve ser continuada.

ISEG e Columbia arrancam com 2ª edição de programa internacional para líderes de topo

Hotelverse anuncia chegada a Portugal

A Hotelverse, startup tecnológica que revoluciona o modelo de reservas de quartos de hotel e serviços pré-estadia e melhora a experiência que as cadeias hoteleiras oferecem aos seus clientes, acaba de anunciar a expansão das suas operações para o mercado português.

A empresa foi fundada em 2021 por Fermín Carmona e Rafael Bover, atuais CEO e COO. Ambos eram executivos do Grupo Iberostar e desenvolveram esta ideia de negócio como um projeto interno para resolver um problema enfrentado pelo grupo hoteleiro e pela indústria em geral: o elevado nível de intermediação, impulsionado pela implementação da Internet e pelo crescimento dos websites de comparação online, reduz o volume de vendas diretas efetuadas pelos hotéis e reduz a informação disponível para o consumidor durante o processo de compra. A Hotelverse resolve este problema através da construção de um gémeo digital do hotel, que devolve o poder de compra às empresas hoteleiras e aos utilizadores. É também a única solução do mercado que permite aos utilizadores reservar o quarto exato que desejam, estabelecendo-se como uma nova categoria tecnológica dentro das reservas de hotel e uma ferramenta única para a desintermediação.

Com sede em Palma de Maiorca, a Hotelverse emprega atualmente uma equipa de mais de 45 pessoas. Em 2022, no primeiro ano de atividade, angariou 2 milhões de euros em duas rondas de financiamento. A primeira (março), no valor de 1 milhão de euros, contou com o apoio do Grupo Iberostar, da empresa de capital de risco Archipelago Next, do family office de Toni Nadal e do empresário mexicano Braulio Arsuaga. A segunda ronda (setembro) teve o mesmo valor, atraindo como parceiros Aurelio Vázquez, Senior Director Asset Management da Hotel Investment Partners (HIP); Raúl González, Chief Executive Officer EMEA do Grupo Barcelo; a Sabadell Venture Capital, divisão de capital de risco (VC) do Banco Sabadell; e a empresa de investimento imobiliário Stoneweg.

Em julho deste ano, a empresa angariou a sua terceira ronda de financiamento e está agora a preparar uma ronda de Série A para o final de 2024. Até à data, angariou 1.25 milhões de euros e incorpora a Plug & Play como investidor. O negócio faz parte de uma terceira ronda que eleva o investimento na startup para 3.5 milhões de euros.

Por outro lado, com o objetivo de otimizar e facilitar a utilização da sua tecnologia por parte dos hotéis e aumentar o valor que esta traz aos seus negócios, integrou alguns dos motores de reserva mais utilizados na indústria: Roiback, Hotetec e ParatyTech. Está também a trabalhar com alguns dos principais parceiros no mercado, como Guestcentric, Hijiffy e Host.

A Hotelverse em Portugal

No que diz respeito a Portugal, Hotelverse já conta com um cliente de renome no seu portefólio: o Tivoli Carvoeiro Algarve Resort, para quem está a desenvolver um gémeo digital. Por outro lado, apoiou também o hotel CR7 Pestana Gran Vía, em Madrid, do qual Cristiano Ronaldo é proprietário – onde já é possível concluir que, graças ao gémeo digital, o tempo dos utilizadores na página do hotel aumentou em 108% – e espera anunciar mais projetos em breve.

A empresa tem já algumas pessoas dedicadas ao mercado português, como Vitor Pratte, Portugal & International Markets Sales Manager, e Cinta Massó, CCO da empresa; e ainda uma equipa de onboarding e outra de Customer Sucess em franco crescimento.

“Na Hotelverse estamos determinados a transformar a indústria hoteleira, devolvendo o poder de compra aos hotéis e proporcionando experiências excecionais aos nossos clientes e aos seus clientes também. Com a nossa tecnologia revolucionária, construímos o futuro das reservas de quartos de hotel,” comentou Fermín Carmona, CEO da Hotelverse. “Começamos agora o nosso caminho em Portugal, e estamos entusiasmados por trazer inovação e valor ao mercado para criar um novo capítulo na história da hotelaria.”

HotelShop+SocialShop com equipa reforçada

O forte crescimento da sua atividade levou esta Central de Compras a reforçar a sua equipa, com a contratação de três novos profissionais – Glória Carvalho, Nuno Ventura e Gonçalo Robalo – que vão reforçar a equipa de 15 técnicos especializados que compõem esta organização.

Glória Carvalho vem ocupar o cargo de consultora de compras para a zona Norte, com uma experiência de 30 anos na Makro Cash & Carry Portugal, tendo ocupado diversas funções e responsabilidades, incluindo 5 anos como chefe de divisão.

Nuno Ventura irá reforçar a equipa de consultores de compras da Grande Lisboa e Oeste, tendo exercido funções de gestão comercial em diversos fornecedores da hotelaria e da área social, incluindo a Staples e Fluir.

Gonçalo Robalo é licenciado em gestão pela Universidade Autónoma, tendo exercido diversas funções operacionais na Auchan, Meu Super e Vodafone. Vai integrar o departamento de análise de compras e encomendas.

Com a contratação destes três novos profissionais, a HotelShop+SocialShop pretende dar resposta às crescentes solicitações por parte dos seus associados e prosseguir a sua estratégia de crescimento sustentado.

A HotelShop+SocialShop é a central de compras líder nacional nos setores turístico e social, prestando serviços de procurement, consultoria de compras e processamento de pagamentos para mais de 700 hotéis, restaurantes e instituições de apoio social.

O mercado hoteleiro representa 40% do negócio B2B da La Redoute

O segmento B2B da La Redoute tem vindo a apresentar um crescimento elevado nos últimos anos com o mercado hoteleiro a pesar 40%.

O mercado profissional tem vindo a crescer nos últimos anos na La Redoute. Neste momento, em Portugal, o ramo hoteleiro corresponde a 40% da procura, mas este é um fenómeno que extravasa as fronteiras nacionais, resultado direto da atratividade da coleção dedicada à CASA. A própria casa mãe – França, e outras filiais internacionais, registam igualmente um crescimento notório neste segmento apesar de menos expressivo do que em Portugal. Também os gabinetes de arquitetura e de decoração, que desenvolvem projetos com artigos La Redoute para o setor hoteleiro, contribuem para este notável resultado no nosso país.

Paulo Pinto, CEO da La Redoute em Portugal, enaltece: “A crescente procura dos artigos La Redoute Intérieurs e AM.PM (as nossas marcas dedicadas ao mercado da casa) pelo mercado profissional é reflexo do nosso compromisso em estabelecer relações de confiança com os nossos clientes, através de uma oferta de produto esteticamente atrativa, original e com elevados padrões de qualidade tanto pelas matérias selecionadas como pelos procedimentos de produção utilizados, com o tema da sustentabilidade a ocupar um lugar central em todo o processo”.

Mas afinal, quais são as tipologias de artigo que o cliente hoteleiro mais procura? A La Redoute caracteriza-se enquanto marca com uma abrangência de oferta de artigos elevada, sendo que o cliente hoteleiro não procura apenas a categoria dos têxteis. Muito pelo contrário, este segmento de cliente procura cadeirões, mesas-de-cabeceira, secretárias, cómodas, tapetes, mesas de apoio, iluminação, camas, mesas de refeição e cadeiras. Este é um cliente que procura design e qualidade sim, mas que não descura o fator sustentabilidade.

A par do posicionamento da La Redoute em aprimorar o seu serviço B2B, fazendo-o crescer, um dos grandes objetivos da marca é o seu posicionamento no campo da sustentabilidade. Atualmente, 94% dos artigos têxteis para a CASA possuem o certificado OEKO-TEX® Standard 100, uma etiqueta independente e internacional que controla o uso de substâncias nocivas nos produtos têxteis, e, até ao final do ano, todo o algodão usado na La Redoute será 100% biológico e certificado. A par destas metas, também os móveis serão fabricados com madeiras 100% provenientes de florestas com gestão sustentável, até 2025.

Hoje são mais de 30% os móveis com certificação FSC© na La Redoute (certificação que assegura que os produtos provêm de florestas bem geridas que oferecem benefícios ambientais, sociais e económicos), valor que chegará aos 40% até ao final deste ano.

Costa Verde máquina de impressão digital preparada para imprimir diretamente em porcelana

Em parceria com a Kerajet e Torrecid, a Costa Verde apresenta a primeira e única máquina de impressão digital preparada para imprimir diretamente em porcelana. Esta tecnologia permite-nos elevar a criatividade e a originalidade a outro nível.

Veja aqui o VÍDEO

A Costa Verde apresenta Terra, com Alma!

A Costa Verde organizou um almoço de apresentação da sua mais recente coleção Terra, projeto desenhado pelo designer Pere Gifre, e apadrinhado pelos chefes Dieter Koschina e Henrique Sá Pessoa.

Contando com a presença de mais de 20 estrelas e potenciais estrelas Michelin, o almoço ocorreu no restaurante Alma, em Lisboa, num menu criado e elaborado pelos dois chefes de cozinha, detentores de 2 estrelas Michelin cada, marcando assim a rentrée na agenda dos eventos gastronómicos de topo a nível nacional. Como uma obra de arte esculpida na terra, a coleção Terra revela-se de uma forma bela e imperfeita. Foi através do resultado da parceria entre as mãos do artista Pere Gifre e a expertise da Costa Verde que se apresenta esta nova coleção. Com linhas marcantes e perfis orgânicos, Terra simboliza o início de uma nova era para a marca Costa Verde, uma coleção que pretende despertar os sentidos, sendo uma aliança entre diferentes experiências táteis, que nos conectam com a natureza. Do toque áspero ao acetinado, da superfície plana à escarpada, sendo cada peça única, singular e disruptiva. Apadrinhada por Dieter Koschina e Henrique Sá Pessoa, chefes com 2 estrelas Michelin, esta coleção pretende marcar uma forte posição no mercado de luxo e fine dining.

A Costa Verde é um dos principais fabricantes de porcelana na Europa, tendo iniciado a sua atividade em 1992, sendo uma das mais modernas empresas do setor em todo o mundo.

Ao longo de 30 anos de crescimento sustentado, surgiram parcerias em vários mercados espalhados por todo o mundo. A constante pesquisa, criação e desenvolvimento de novos produtos e conceitos permitiu à Costa Verde estar hoje presente em mais de 50 geografias e obter 70% das receitas no mercado internacional.

Com uma operação industrial fortemente sustentável, a fábrica está localizada no distrito de Aveiro, em Portugal, possuindo uma área coberta de 35.000 m² e uma área disponível de mais de 65.000 m², empregando mais de 370 colaboradores.

Para mais informações sobre a coleção Terra: https://pro.costa-verde.com/colecoes-costa-verde/terra/

Eurofred lança bomba de calor da Daitsu que dá água mais quente com menor consumo de energia

Eurofred, empresa que se tem afirmado como parceira para todos os profissionais que necessitam de uma solução integral para as suas necessidades de ar condicionado, Soluções Industriais, qualidade do ar interior e refrigeração, apresenta a bomba de calor ACS HT 10-100 da Daitsu. Incluída na gama aerotérmica da marca, é ideal para satisfazer o consumo de água quente doméstica elevada (AQS) com a maior eficiência e menor consumo.

A gama aerotérmica da Daitsu inclui uma grande variedade de produtos eficientes, ecológicos e versáteis preparados para cumprir com o novo Regulamento térmico de 2019, que permite atender às necessidades de aquecimento, arrefecimento e AQS de qualquer tipo de casa ou negócio, alcançando o melhor conforto ao longo do ano, reduzindo as emissões de CO2 e alcançando a máxima poupança na fatura da eletricidade.

HT 10-100: desempenho, eficiência e simplicidade

Concebida para produzir AQS até 90C°, a bomba de calor Daitsu HT 10-100 está disponível em seis modelos de diferentes capacidades de ar/água adequadas para uma produção entre 3.000 e 25.000 litros de água quente por dia, tornando-a ideal para satisfazer o elevado consumo de aplicações comerciais e industriais.

O HT 10-100 utiliza o fluido frigorígeno 100% natural R-744 e tem uma lógica de funcionamento dedicada à otimização do COP, sendo uma solução ecológica e eficiente que minimiza o seu impacto na camada de ozono, reduz o consumo de recursos naturais e permite obter poupanças na fatura de até 70% no que diz respeito ás caldeiras convencionais.  Funções como descongelação inteligente ou recuperação de refrigeração também contribuem para alcançar esta poupança.

A bomba de calor ACS HT 10-100 da Daitsu oferece um baixo nível de ruído e apresenta ventiladores EC plugfan com pressão e velocidade variável disponíveis, ajudando a maximizar o conforto do utilizador.  Além disso, sendo uma unidade compacta e robusta, o Plug&Play, que conta com função Teste e controlo com o sistema de telemonitorização via Web (Ethernet) – com a possibilidade de ligação pelo protocolo Modbus RTU como padrão – é uma solução simples para instalar, manter e operar.

Já havia o Fast Food, agora há o FAST PAY

A forma mais rápida de um cliente pagar a conta quando vai comer ao restaurante é proporcionada pela deGrazie.

Apresentamos a solução digital deGrazie: uma plataforma que é uma nova experiência no setor da restauração e que vem poupar cerca de 10 a 15 minutos ao cliente no momento de pagar a conta.

A deGrazie permite que após o pagamento dos clientes (precisam de smartphone com acesso à Internet), a mesa seja fechada automaticamente no POS e os clientes recebam num instante a fatura no seu endereço de email.

Para o restaurante, esta solução tecnologicamente avançada é um descanso, para quem faz a conta, com ganhos operacionais assinaláveis.

A solução, que dispensa registo ou downloads, potencia a eficiência dos restaurantes, traz maior consumo e aumento da satisfação dos clientes, com o benefício de aumentar em cerca de 30% a taxa de gratificações/gorjetas sobre os pagamentos efetuados.

Os clientes precisam apenas de ler um código QR exclusivo por mesa, com acesso ao menu digital e pagam em apenas 10 segundos através deste sistema.

Conforme afirmam os restaurantes que já utilizam a solução deGrazie nos seus estabelecimentos, na totalidade os clientes demoram menos de 10 a 15 minutos por mesa a pagar a conta.

Esta solução permite ainda aos clientes o acesso à conta em tempo real, à sua divisão se for conjunta e ao pagamento total sem necessidade de intervenção de funcionários do restaurante.

Mais de 80 restaurantes em todo o país já adotaram esta plataforma nos seus pagamentos, desde bares, esplanadas, restaurantes tradicionais, turísticos e clássicos.

A marca deGrazie foi criada pela PayCritical e apresenta-se como uma solução inteligente para um checkout mais rápido na restauração.