Rita Freitas nomeada a Events Manager do Lisbon Marriott Hotel

Desta forma, o profissional fica responsável pela área de planeamento e estratégia das conferências, palestras, feiras, eventos, convenções, casamentos e outros eventos sociais do Lisbon Marriott Hotel, em colaboração direta com a Direção de Vendas & Marketing.

Licenciada em Comunicação Empresarial e Relações Públicas da Escola Superior Comunicação Social do Instituto Politécnico de Lisboa (1997-2001) iniciou a sua carreira profissional como Senior Group Sales Executive em 2005 .

Posteriormente desempenhou funções como Group Sales Manager no Sana Malhoa Hotel (2008-2009), Group Sales Executive do Marriott Praia d’el Rey (2009-2015) transitando para Sales Manager do mesmo hotel (2015-2017) ,Senior Group Sales Executive do Lisbon Marriott Hotel (2017-2021) e de seguida Group & Events Coordinator (2021-2023).

Actualmente, Events Manager do Lisbon Marriott Hotel desde 1 de Janeiro 2024, responsável por uma equipa composta por 7 elementos.

“Quero juntar os meus conhecimentos adquiridos em diversas áreas de hotelaria, ao dinamismo e flexibilidade da minha equipa, para de forma criativa surpreender o nosso cliente” – acrescenta Rita Freitas, Events Manager do Lisbon Marriott Hotel.

Pine Cliffs Resort recruta para 270 vagas de emprego

O Pine Cliffs, a Luxury Collection Resort vai promover um Open Day com o objetivo de preencher 270 vagas que estão disponíveis. 

A ação de recrutamento acontece no dia 30 de janeiro, no Pine Cliffs Resort, em Albufeira, a partir das 10h00. Estão disponíveis vagas para áreas distintas como receção, cozinha, bar e restauração, housekeeping, spa, manutenção, piscinas, economato, entre outros. 

“Continuamos a apostar em perfis dinâmicos, pró-ativos e com paixão pela hotelaria.  Os futuros colaboradores podem contar com uma equipa motivada e especializada no serviço de excelência, com uma cultura orientada para o colaborador e para o seu desenvolvimento.”, refere Nicole Guerreiro, diretora de recursos humanos da unidade. 

Não é obrigatória pré-inscrição, mas os candidatos podem inscrever-se através de um formulário disponível no website do Pine Cliffs Resort, e selecionar a vaga a que se candidatam e enviar o CV. 

É possível consultar toda a informação relacionada com o open day no site do Pine Cliffs Resort. 

Timing recebe Prémio Cinco Estrelas 2024

A Timing, empresa de Trabalho Temporário e Gestão de Recursos Humanos; uma das em maior crescimento no setor, no país e a número 1 no setor da hotelaria, foi distinguida com o prémio Cinco Estrelas, tendo ficado em primeiro lugar na categoria Trabalho Temporário.

Esta é a primeira vez que a marca é distinguida, destacando o seu compromisso com a excelência na prestação de serviços de recursos humanos.

O Prémio Cinco Estrelas é um sistema de avaliação independente que mede o grau de satisfação que os produtos, os serviços e as marcas conferem aos seus utilizadores, dentro da respetiva categoria de consumo.

Nesta análise, a Timing obteve uma nota de 7,55 num máximo de 10, tendo-se destacado nos critérios “Satisfação/Experimentação” e “Intenção de Recomendação” por parte dos seus clientes.

“Há 9 anos que trabalhamos para contribuir de forma significativa para o sucesso operacional dos nossos parceiros. Identificamos talentos qualificados e alinhados com as expetativas do cliente. Este prémio é, sem dúvida, reflexo do trabalho que temos vindo a fazer.”, destaca Ricardo Mariano, CEO da Timing.

Este prémio, referente a 2024, é atribuído pela Five Stars Consulting.

A Sustentabilidade nos Processos de Limpeza e Desinfeção no Setor Hoteleiro

Elsa Moreira – Application Specialist Christeyns

Quem não gosta de chegar ao quarto de hotel, respirar fundo, saltar para cima da cama de braços abertos e sentir um cheiro agradável e o conforto de uns lençóis macios?

No setor hoteleiro um dos assuntos mais desafiadores é, a higiene! A garantia de um ambiente limpo, fresco e acolhedor exige uma atenção  especializada para assegurar que cada quarto, cada espaço, cada hotel corresponda à expectativa de cada cliente. Daí a limpeza ser das tarefas mais desafiadoras e cada vez mais árdua, na hotelaria.

É importante realçar que a higiene na hotelaria não se restringe apenas aos quartos, casas de banho, espaços comuns, etc… Existem espaços que de forma indireta têm muito impacto na satisfação do cliente, tal como é a cozinha ou lavandaria interna do hotel, e que a limpeza nunca deve ser subestimada, devendo dar-se a mesma importância que aos outros espaços. No entanto, dentro de um espaço poderão existir  superfícies que devemos dar mais atenção que outras em relação à periodicidade de higienização. A segmentação do intervalo de tempo entre limpezas deverá ser feita tendo em atenção:

  • Tipo de sujidade – existem partículas, sujidade, que devemos ter mais atenção que outras. Por exemplo: as superfícies da casa de banho, que estão em contacto direto com o hóspede, devem ser higienizadas diariamente, podendo a falta da mesma causar problemas de saúde. Por outro lado, o teto da casa de banho, que apenas é tocado por vapor de água vindo dos banhos, poderá ser limpo mais espaçadamente.
  • Tipo de superfície – Existem superfícies lisas e rugosas. Estas últimas são mais “absorventes” à sujidade e deverão ser limpas com mais frequência, ou, com mais atenção. Uma superfície lisa é mais fácil de limpar, e requer menos tempo da parte do operador.
  • Vulnerabilidade da superfície à sujidade – a exposição da superfície à sujidade é, talvez, o fator determinante na frequência de higienização.
    Uma superfície que esteja plenamente exposta à sujidade (ex: pavimentos) deverá ser limpa mais frequentemente, que uma superfície tapada (ex: parede atrás de uma móvel).

Além disso, é importante, para cada uma das necessidades de higiene, escolher os produtos químicos mais adequados. A escolha de um produto incorreto pode originar:

  • Falta de higienização da superfície “limpa”, ou seja, a utilização de um produto incorreto pode não remover a sujidade que se pretende limpar;
  • Colocar o operador em risco de segurança;
  • Danificar permanentemente a superfície.

Nestes casos, sempre que existem questões ou dúvidas, as mesmas deverão ser esclarecidas com o fornecedor de produtos químicos, de modo a garantir o melhor resultado.

A escolha de produtos de higiene poderá ser sempre, uma opção mais sustentável e ecológica. E neste âmbito, a utilização de produtos de limpeza ecológicos tem vindo cada vez mais a demonstrar ser uma alternativa viável e eficiente. Produtos ecológicos significam produtos
igualmente eficazes, porém com um impacto ambiental reduzido, e por vezes, com menor risco de segurança para o operador.

Geralmente são produtos mais concentrados onde a relação entre produto químico e a quantidade de plástico é reduzida significativamente, o que permite utilizar a mesma quantidade de plástico para transportar mais produto, com menos água. Este facto faz, igualmente, com que seja possível poupar espaço no armazenamento, resolvendo o problema da limitação do espaço, sentido em muitas unidades hoteleiras.

Outro fator importante na escolha de produtos ecológicos é garantir que têm certificação. A certificação é sinónimo que o produto utilizado é de facto, um contributo para a sustentabilidade do ambiente. A certificação é feita por entidades independentes com critérios bastantes exigentes, que avaliam todo o ciclo de vida do produto, desde as matérias-primas, à gestão de resíduos, tipo de embalagem ao transporte dos produtos, entre outros.

A importância da limpeza e desinfeção das diferentes áreas do setor hoteleiro é de grande relevância.

VELUX revela segredos da importância da luz natural

O mês de setembro é equiparado ao início de um novo ano por ser acompanhado pelo sentimento de renovação pessoal, como consequência da sensação de “baterias renovadas”. A VELUX®, empresa pioneira em janelas de telhado, explica como pode tornar estes dias mais leves e enérgicos através da luz no seu estado mais puro.

Sem dúvida que uma boa alimentação e exercício físico são importantes para combater estas emoções indesejadas, mas sabia que a iluminação natural também pode ter um contributo fundamental?

Além de ser imprescindível para garantir um espaço interior perfeito, a luz impacta positivamente o nosso bem-estar que resulta, em parte, do ciclo circadiano equilibrado, conhecido como o ritmo natural do corpo, e no qual o cérebro é o maestro. É ele que dá “dicas” ao nosso organismo de quando deve despertar ou acalmar consoante a hora do dia e as rotinas, acabando por promover o bem-estar físico e mental.

Utilize a luz natural como ponto de partida para organizar o espaço de trabalho

Criar um escritório ou um espaço de trabalho na divisão da casa com mais luz natural é imprescindível para que se sinta mais confortável no regresso à rotina. A luz, ao ter um papel predominante no design de interiores, é a base para a organização de um espaço. Se existir uma janela na divisão onde trabalha, opte por colocar a secretária de trabalho debaixo da mesma. Caso não seja possível, a transformação de uma divisão escura numa mais clara, através da escolha de paredes brancas ou espelhos, pode ser a solução ideal.

Regule a intensidade da luz através da utilização de acessórios nas janelas

Ao deixar entrar mais luz natural na divisão onde trabalha, pode necessitar de regular a sua intensidade sendo, para tal, necessário escolher acessórios adequados à mesma, como por exemplo, cortinas. Se assim for, priorize elementos com cores mais sóbrias, que tragam a natureza para dentro de casa, permitindo uma sensação de tranquilidade, necessária em dias mais agitados.

Alivie a fadiga ocular e aumente a produtividade através da luz natural

A luz natural, a partir do mês de setembro, e durante as estações de outono e inverno, oferece um benefício adicional à nossa saúde: a redução da fadiga ocular. Uma vez que a luz durante estas estações do ano tende a ser menos intensa, comparativamente com a luz artificial dos candeeiros, acaba por promover não só um maior conforto ocular, como também contribui para uma maior produtividade enquanto trabalhamos ou realizamos tarefas dentro de casa.

Conecte-se com a natureza a partir do interior da casa

Setembro marca o regresso dos dias mais curtos e frescos e, por isso, encontrar uma conexão com a natureza pode ser um desafio. Quando o clima deixar de convidar a atividades ao ar livre, procurar maneiras de se conectar com a natureza pode ser importante para garantir um bem-estar físico e mental. Por exemplo, observar as mudanças sazonais pela janela e apreciar a chuva, podem ajudar a manter esta ligação.

O poder da luz solar não deve ser subestimado, uma vez que é a chave para garantir o bem-estar físico e mental do ser humano.

Factorial desmistifica a semana de trabalho de 4 dias

  • Equilíbrio entre a vida pessoal e profissional – Os colaboradores ficam com mais tempo para aproveitar a vida fora da empresa, a fazer o que gostam com os amigos e família.
  • Aumento da produtividade – Um maior equilíbrio entre a vida pessoal e profissional aumenta a produtividade e a motivação para trabalhar.
  • Gestão eficiente do tempo – Os colaboradores têm de ter maior foco e atenção na concretização das suas tarefas por terem menos horas semanais disponíveis.
  • Diminuição do impacto ambiental – A pegada ecológica de cada colaborador é reduzida, por exemplo, ao não existirem deslocações para o trabalho.
  • Redução de custos – Pois há sempre um dia por semana em que nenhum colaborador está a usufruir dos equipamentos para concretizar as suas tarefas, nem a utilizar eletricidade e água.
  • Regime não aplicável a todas as empresas – Há várias indústrias que trabalham 24/7, pelo que este regime não é concretizável para eleas.
  • Difícil adaptação – Adaptar as tarefas diárias apenas a quatro dias de trabalho pode ser um desafio para algumas empresas e profissionais.
  • Desenvolvimento de novas skills – A gestão eficiente do tempo, o foco e a atenção são algumas skills que os colaboradores vão ter que desenvolver para manterem os níveis de produtividade, e tal pode não ser fácil (pelo menos inicialmente).
  • Risco da diminuição da satisfação do cliente – Há menos um dia disponível para atender os clientes, o que pode levar a mais uma barreira entre eles e a empresa.
  • Má aplicação deste regime de trabalho – O objetivo não é concretizar em quatro dias o que necessita de ser realizado em cinco, por isso, ou a legislação é bastante clara, ou há o risco de haver uma abordagem errada a este modelo e stress adicional sobre os colaboradores.
  1. Colocar o foco nos resultados do trabalho (em vez de nas horas trabalhadas)
  2. Fazer um planeamento semanal cuidado, definindo objetivos claros e realistas e priorizando tarefas
  3. Reduzir as reuniões semanais, para que os colaboradores possam dedicar a maior parte do seu tempo a perseguir os resultados e a gerir eficazmente o seu tempo
  4. Considerar soluções tecnológicas e digitais – como por exemplo soluções que permitem automatizar os processos, ou soluções de atendimento automatizado (para empresas que precisam de estar disponíveis para os clientes durante os cinco dias úteis da semana)
  5. Avaliar a experiência para compreender verdadeiramente se teve sucesso e deve ser continuada.

O mercado hoteleiro representa 40% do negócio B2B da La Redoute

O segmento B2B da La Redoute tem vindo a apresentar um crescimento elevado nos últimos anos com o mercado hoteleiro a pesar 40%.

O mercado profissional tem vindo a crescer nos últimos anos na La Redoute. Neste momento, em Portugal, o ramo hoteleiro corresponde a 40% da procura, mas este é um fenómeno que extravasa as fronteiras nacionais, resultado direto da atratividade da coleção dedicada à CASA. A própria casa mãe – França, e outras filiais internacionais, registam igualmente um crescimento notório neste segmento apesar de menos expressivo do que em Portugal. Também os gabinetes de arquitetura e de decoração, que desenvolvem projetos com artigos La Redoute para o setor hoteleiro, contribuem para este notável resultado no nosso país.

Paulo Pinto, CEO da La Redoute em Portugal, enaltece: “A crescente procura dos artigos La Redoute Intérieurs e AM.PM (as nossas marcas dedicadas ao mercado da casa) pelo mercado profissional é reflexo do nosso compromisso em estabelecer relações de confiança com os nossos clientes, através de uma oferta de produto esteticamente atrativa, original e com elevados padrões de qualidade tanto pelas matérias selecionadas como pelos procedimentos de produção utilizados, com o tema da sustentabilidade a ocupar um lugar central em todo o processo”.

Mas afinal, quais são as tipologias de artigo que o cliente hoteleiro mais procura? A La Redoute caracteriza-se enquanto marca com uma abrangência de oferta de artigos elevada, sendo que o cliente hoteleiro não procura apenas a categoria dos têxteis. Muito pelo contrário, este segmento de cliente procura cadeirões, mesas-de-cabeceira, secretárias, cómodas, tapetes, mesas de apoio, iluminação, camas, mesas de refeição e cadeiras. Este é um cliente que procura design e qualidade sim, mas que não descura o fator sustentabilidade.

A par do posicionamento da La Redoute em aprimorar o seu serviço B2B, fazendo-o crescer, um dos grandes objetivos da marca é o seu posicionamento no campo da sustentabilidade. Atualmente, 94% dos artigos têxteis para a CASA possuem o certificado OEKO-TEX® Standard 100, uma etiqueta independente e internacional que controla o uso de substâncias nocivas nos produtos têxteis, e, até ao final do ano, todo o algodão usado na La Redoute será 100% biológico e certificado. A par destas metas, também os móveis serão fabricados com madeiras 100% provenientes de florestas com gestão sustentável, até 2025.

Hoje são mais de 30% os móveis com certificação FSC© na La Redoute (certificação que assegura que os produtos provêm de florestas bem geridas que oferecem benefícios ambientais, sociais e económicos), valor que chegará aos 40% até ao final deste ano.

A Costa Verde apresenta Terra, com Alma!

A Costa Verde organizou um almoço de apresentação da sua mais recente coleção Terra, projeto desenhado pelo designer Pere Gifre, e apadrinhado pelos chefes Dieter Koschina e Henrique Sá Pessoa.

Contando com a presença de mais de 20 estrelas e potenciais estrelas Michelin, o almoço ocorreu no restaurante Alma, em Lisboa, num menu criado e elaborado pelos dois chefes de cozinha, detentores de 2 estrelas Michelin cada, marcando assim a rentrée na agenda dos eventos gastronómicos de topo a nível nacional. Como uma obra de arte esculpida na terra, a coleção Terra revela-se de uma forma bela e imperfeita. Foi através do resultado da parceria entre as mãos do artista Pere Gifre e a expertise da Costa Verde que se apresenta esta nova coleção. Com linhas marcantes e perfis orgânicos, Terra simboliza o início de uma nova era para a marca Costa Verde, uma coleção que pretende despertar os sentidos, sendo uma aliança entre diferentes experiências táteis, que nos conectam com a natureza. Do toque áspero ao acetinado, da superfície plana à escarpada, sendo cada peça única, singular e disruptiva. Apadrinhada por Dieter Koschina e Henrique Sá Pessoa, chefes com 2 estrelas Michelin, esta coleção pretende marcar uma forte posição no mercado de luxo e fine dining.

A Costa Verde é um dos principais fabricantes de porcelana na Europa, tendo iniciado a sua atividade em 1992, sendo uma das mais modernas empresas do setor em todo o mundo.

Ao longo de 30 anos de crescimento sustentado, surgiram parcerias em vários mercados espalhados por todo o mundo. A constante pesquisa, criação e desenvolvimento de novos produtos e conceitos permitiu à Costa Verde estar hoje presente em mais de 50 geografias e obter 70% das receitas no mercado internacional.

Com uma operação industrial fortemente sustentável, a fábrica está localizada no distrito de Aveiro, em Portugal, possuindo uma área coberta de 35.000 m² e uma área disponível de mais de 65.000 m², empregando mais de 370 colaboradores.

Para mais informações sobre a coleção Terra: https://pro.costa-verde.com/colecoes-costa-verde/terra/

Pagamentos em hotéis: 3 ideias para otimizar a experiência do cliente

Há muito para amar na experiência em hotel, mas também existem alguns fatores não tão favoráveis a esta experiência. As filas no check-in, a reserva que não é encontrada quando feita por terceiros, erros nos contactos, entre muitos outros. No entanto, existem maneiras de otimizar a experiência do cliente neste setor.

Há uns anos, não nos importávamos de sair da piscina para ir pedir o almoço. Mas a tecnologia tem tornado a vida mais fácil e as expectativas mais altas.

Podemos fazer quase tudo a partir dos nossos smartphones, fazer compras a partir das nossas redes sociais e pagar por uma rodada de bebida com o nosso smartwatch. Esperamos transações descomplicadas e gratificação instantânea. Os hotéis são confrontados com o desafio de se manterem à altura.

De acordo com o nosso Relatório de Hospitalidade, as principais alternativas para as empresas de hotelaria e as suas equipas de IT estão direcionadas no sentido da melhoria da experiência de compra. E, mesmo assim, menos do que uma em quatro afirma ter estratégias formalizadas para a transformação digital.

Então, o que o impede?

Para começar, o facto de ter de lidar com regulamentos locais de cada país onde opera e parceiros, sistemas de tecnologia e nuances culturais. Existe ainda a fraude, a preocupação com a segurança dos cartões, entre várias outras coisas. Isto pode parecer desanimador, mas as boas notícias são que os pagamentos em hotel não precisam ser assim tão complicados.

Com os parceiros tecnológicos certos, pode fazer mudanças progressivas bem rapidamente, e os benefícios serão muito maiores.

A Adyen, plataforma tecnológica financeira escolhida por muitas das principais empresas mundiais, partilha 3 dicas para melhor a experiência do cliente através dos pagamentos:

  1. Dê as boas-vindas a hóspedes de todo o mundo

Os métodos de pagamento locais podem ser tão diversos quanto a linguagem. Por exemplo, sabia que o método bancário online iDEAL abrange 60% das transações online da Holanda? E clientes chineses esperam poder pagar com UnionPay, Alipay ou WeChat Pay.

Ao apoiar estes métodos de pagamento, irá criar uma experiência consistente para os hóspedes em qualquer lado. É possível, depois, reconhecer clientes antigos e disponibilizar as opções de pagamento certas. Pode oferecer um câmbio de moeda dinâmico, na qual o terminal de pagamento utiliza o cartão para detectar a língua e moeda do cliente e, assim, deixá-lo escolher com qual quer pagar.

  1. Simplificar a estadia com transações facilitadas

Os quiosques self-service possibilitam aos clientes evitar filas e realizar o seu próprio check-in. Há apps que geram uma chave do quarto no smartphone e permitem o check-in através do táxi, o que simplifica bastante a chegada. Isto não para substituir as boas-vindas em pessoa, mas para que clientes antigos, ou os que têm pressa, possam ter uma escolha.

    2.1 Tokenização do cartão de crédito

Facilitar a compra de bebidas, postais, agendamentos no spa sem ter de apresentar um cartão, inserir um código ou assinar uma fatura é possível através da tokenização do cartão. Este é um método de ‘’capturar’’ os dados do cartão do cliente (durante o agendamento online, ou no check-in), encripta-los e substituí-los por um token seguro. Este token pode ser usado em todas as compras futuras – pode até esquecer mesmo por completo os cartões dos seus hóspedes.

Assim que se tem o token, pode-se ativar qualquer dispositivo que tenha uma etiqueta NFC (pode ser um cartão de acesso ou a chave de um quarto) e o cliente pode usá-lo para pagar.  A captura e armazenamento dos detalhes do cartão é rápida e segura. E, uma vez que os dados não encriptados nunca entram no sistema, pode manter a conformidade com o PCI no mínimo.

  1. Usar dados de pagamento para um toque pessoal

Para ganhar a lealdade do cliente e garantir visitas de regresso, são os pequenos detalhes que importam. Upgrades de quartos e cestos de fruta podem sempre ser entregues manualmente a um pequeno grupo de clientes de elite. Mas pode ser mais difícil valorizar e ligar-se com todos os hóspedes repetidos.

Então, vamos falar sobre lealdade ligada ao pagamento.

A tokenização do cartão de crédito pode também ser usada como um identificador único. Isto vai para além de reconhecer clientes. Pode customizar a experiência para cada hóspede individualmente com base nas suas transações em visitas anteriores. O seu histórico mostra que adoraram o tratamento de spa de ‘’argila térmica profunda’’? Adoraram os aperitivos do bar da piscina? Surpreenda e delicie os seus hóspedes ao oferecer descontos exclusivos nesses itens.

Pagamentos em Hotel com a Adyen

Percebemos que os pagamentos são apenas mais um elemento de dados. É por isso que a solução da Adyen de Comércio Unificado permite a gestão de todas as transações num só sistema. Somos verdadeiramente omnicanal, por isso experiências em canais diferentes

são fáceis de suportar, e podem proporcionar uma experiência consistente a todos os clientes em qualquer ponto de contacto.

Os relatórios Adyen oferecem-lhe um leque de informações para otimizar os seus pagamentos passo a passo. Se fizer parte de um franchise, fornecemos uma visão global ao nível do terreno, enquanto a sede obtém uma visão detalhada, e uma maior transparência em cada propriedade.

Todos os principais métodos de pagamento locais estão disponíveis de imediato, sem necessidade de parceiros ou contratos adicionais, pelo que acrescentar novos métodos é tão fácil como carregar num interruptor. E, para facilitar ainda mais, temos plugins de integração para as principais plataformas industriais. Assim, tem liberdade para focar nos seus clientes, e por sua vez os clientes têm a liberdade de aproveitar a estadia.

Como manter ou aumentar a sua cota de venda direta depois da pandemia

A venda direta dos hotéis vive um momento doce, com um grande aumento da sua cota e convertendo-se num canal fundamental no channel mix.

Agora que parece que a pandemia retrocede e se consolida a recuperação, surgem perguntas como: “Quantas de todas estas mudanças voltarão à mal denominada “normalidade” e quantas serão permanentes?” E, quiçá, a pergunta mais relevante: “O que deve fazer o hoteleiro para consolidar esta cota de venda direta sem penalizar a recuperação das suas receitas totais?”. Analisamos isso.

manter aumentar venda direta hotel depois pandemia mirai

Porque é que parte desta mudança será permanente

São muitos os motivos que nos convidam a pensar que muitas das mudanças que se produziram neste ano e meio de pandemia deixaram de ser conjunturais e passarão a ser estruturais.

  • A maior transformação digital da história.

Em apenas 18 meses, avançamos 10 anos em digitalização, sobretudo perdendo o medo de comprar pela internet. Agora já compramos tudo online, até o que antes víamos como uma loucura. Isso constatam os dados de 2020 das maiores empresas do mundo. Será que o consumidor voltará aos seus hábitos de antigamente depois de ter aprendido a lição? Dificilmente.

 

EMPRESA VENDA TOTAL VENDA INTERNET
Zara -32% +79% >> Fonte
Nike -8% +82% >> Fonte
Walmart +7% +79% >> Fonte
Carrefour +8% +70% >> Fonte
  • A utilização do telemóvel disparou ainda mais.

Os nossos dados confirmam que o consumo de websites de hotéis a partir do telemóvel disparou, chegando em muitos casos a 70% sobre o total das visitas (de notar que estes dados variam muito conforme o mercado emissor e a idade média do cliente).

2020 foi o ano de maior crescimento de reservas realizadas a partir do telemóvel, com mais 43% em relação a 2019. Vemos como, em 2021, continua a crescer, ainda que agora com taxas muito mais baixas. Em termos absolutos, há hotéis onde 60% das vendas são realizadas a partir de um telemóvel. Mais uma vez, este dado varia muito de hotel para hotel segundo os mercados emissores e idades dos seus clientes.

crescimento vendas telemovel Mirai

 

  • Muitos utilizadores descobriram o canal direto pela primeira vez.

E entenderam que é uma alternativa válida, segura e de maior valor acrescentado em muitos casos. Algo inconcebível há apenas 18 meses. Muitos destes utilizadores irão voltar-se para o canal direto de agora em diante no momento de reservar.

  • De igual modo, muitos hoteleiros descobriram o poder do canal direto.

E ao verem que funciona e traz volume, começaram a apostar de forma mais determinante no mesmo. Ações como mais investimento em marketing ou oferecer melhores condições que nas OTA são alguns exemplos que, anteriormente, muitos hoteleiros não se atreviam a iniciar.

  • A reativação dos operadores de tours não será imediata.

A operação de tours é um negócio que requer muito circulante para estabelecer a sua operacionalidade e as suas rotas. Poucos têm a posição financeira para o fazer e é provável que muitos não voltem a operar, ou o façam com dimensões mais reduzidas. De qualquer maneira, é provável que as lacunas deixadas sejam aproveitadas por outros operadores de tours novos, mas parte da perda de cota já está consumada e não há volta atrás.

Para além disso, existe o risco das companhias aéreas ocuparem parte das rotas deixadas pela operação de tours, fazendo com que seja ainda mais difícil o retorno destas operações.

  • Fecho permanente de grossistas e agências físicas.

Este ano e meio de crise implicou um drama para muitas empresas pequenas e médias, que viram as suas portas fechadas de forma abrupta e sem possibilidade de vender nada. Infelizmente, muitas agências não voltarão a abrir fisicamente, ficando algumas delas a tentar vender online. Mais uma vez, é uma maior procura que passa do offline ao online onde a venda direta pode competir e ganhar cota se o fizer bem.

  • Memória hoteleira.

Muitos hotéis lembram-se das jogadas da intermediação (faltas de pagamentos ou mudanças unilaterais de política de cancelamento) quando esta lhes mostrou a sua face mais amarga. A realidade, quer gostemos ou não, é que a intermediação está voltada para o seu cliente, voltando as costas ao hoteleiro, quando tem que escolher. É uma postura conhecida por todos, mas nunca antes vista com tanta nitidez. Ainda agora, muitos hotéis são Genius e dão descontos mobile às OTA (ao mesmo tempo um disparate e um absurdo), assim que a situação se estabilize, muitos hoteleiros não terão dúvidas em deixar de trabalhar ou reduzir a sua dependência dos intermediários dos quais possam prescindir.

  • Mais visibilidade por parte da Google ao canal direto em Hotel Ads.

Os free booking links da Google, ligações gratuitas dentro do módulo de Hotel Ads, implicaram mais um empurrão para o canal direto dos hotéis com um aumento de entre 0,84% e 4,32% de venda direta.

Plano de ação para manter, ou até aumentar a sua cota direta assim que esteja superada a pandemia

Quando se abrirem as fronteiras, sejam eliminadas as restrições e se recupere a procura em todos os segmentos… deixarão de ocorrer muitos dos motivos para que as vendas online e, mais especificamente, o canal direto, tenham reportado bons números.

Embora ainda falte tempo para isto, vamos avançando nessa direção e é importante ser realista sobre o facto de, caso não fizer nada para o evitar, o normal será que a sua cota de venda direta desça (não o volume).

Apresentamos-lhe um plano de ação para conseguir que isso não ocorra, ou que ocorra em menor grau. Ou, inclusivamente em alguns casos, continue a crescer.

  • Simplifique o seu channel mix. Na distribuição, menos é mais.

Tem uma oportunidade única para fazer uma limpeza aos canais de que não necessita e que só lhe trazem “ruído”, para além de lhe gerarem disparidades (in English). O facto de um canal lhe trazer vendas não quer dizer que essas vendas sejam incrementais. De facto, o normal é que não seja assim. Enterre o mito de que “quantos mais canais melhor” ou “há sítio para todos” (in English). Alguns conselhos sobre como detetar canais que lhe estão a mais:

  • Os que lhe vendem principalmente na temporada alta e muito pouco no resto do tempo.
  • Que não lhe trazem venda incremental, mas antes são os mesmos clientes que teria captado da mesma forma, mas por outro canal.
  • Com clientes de mercados muito habituais e onde lhes pode chegar facilmente.
  • Que lhe geraram problemas de disparidades, especialmente bancos de camas.
  • Que lhe deixaram um preço médio líquido muito baixo quando comparado com o resto dos canais (por baixo preço médio de venda ou por custo elevado).
  • Que não lhe facultam informações sobre os clientes que reservam, de onde são ou se usam o telemóvel ou se pagaram com cartão ou paypal.

A realidade é que no ano de 2021 pode vender centralizando toda a venda online em 2, 3 OTA (as mais importantes) e o seu canal direto Não precisa de grande apoio de B2Bs para o mundo online. Precisa sim para o mundo offline de retalhistas e empresas, mas esse mundo, lamentamos, é cada vez mais pequeno.

  • Defina e implemente valores de diferenciação claros no seu canal direto. 

Responda aos seus clientes de forma contundente à seguinte pergunta: “porquê reservar na sua página?”. Evite mensagens banais e sem impacto como “melhor preço garantido” ou “pagamento direto” e convença o seu cliente com valores reais, alguns tão atuais como teste de covid incluído ou seguro médico. De qualquer maneira, pense que para a grande maioria é menos arriscado reservar o seu hotel no Booking.com ou Expedia que na sua página web. O que dará em troca de reservar diretamente?

valores diferenciação Mirai

Menção especial ao preço como valor de diferenciação, já que continua a ser a alavanca mais poderosa e eficaz para persuadir o seu cliente para que reserve diretamente. Pode oferecer este melhor preço diretamente em aberto, ou protegê-lo através de um clube de fidelização. E é totalmente compatível com as suas estratégias de ganhar visibilidade nas OTAs com descontos múltiplos Genius ou mobile. Ganhe visibilidade lá, mas sempre disponha de melhor preço na sua página web. Fazer o contrário é um erro estratégico.

  • Invista na melhor tecnologia. 

Parece óbvio e não vamos aprofundar, mas disponha de uma página web profissional, nos idiomas necessários e com o conteúdo adequado. O mesmo para o motor de reservas que tem de ser bom, funcional e muito orientado para a conversão (simples, direto, seguro, que facilite a internacionalização, etc.). Com a tecnologia, normalmente, o barato sei caro. Escolha um bom produto, porque acabará sempre por ser mais rentável. Na Mirai podemos ajudá-lo com toda a tecnologia que necessita para vender diretamente.

  • Invista em visibilidade e leve o máximo tráfego qualificado para a sua página web.

O marketing online será uma peça fundamental na sua estratégia de canal direto. Aproveite o grande momento atual e retome ou inicie as suas campanhas de marketing online com o objetivo de atrair visitas de qualidade à sua página web. Especialmente agora que os níveis de cancelamento parecem estar a estabilizar, algo que é crucial em investimentos CPC (custo por clique).

cancel ratio evolution

E comece sempre pela parte mais baixa do funnel e de aí para cima. A atividade relacionada com a proteção de marca é a mais rentável e para se assegurar a que esteja sempre ativa, para não perder nenhuma atividade, já que isso se trata de capturar a procura existente. Para isso, é imprescindível que ative as campanhas de marca na Google e Bing ads e, é claro, os meta-motores de pesquisa.

Além disso, se tem um volume de tráfego web, é bom que ponha em funcionamento ações de remarketing, sobre os utilizadores que visitaram a sua página web, mas não tenham reservado.

O Email marketing merece uma menção especial. Manter uma boa relação com a sua base de dados é crucial. Defina e planifique adequadamente as campanhas e mensagens comerciais que pretende remeter-lhes. Geralmente é um canal que gera resultados favoráveis.

funnel Mirai

Assim que tenha coberto esta etapa, invista mais acima no funnel onde irá aceder a mais volume, mas menor rentabilidade. Chegará aos utilizadores com intenção de viajar e que se encontram no processo de planeamento. Passará a ações como visibilidade em pesquisas de palavras-chave genéricas ou genéricas long tail no Google Ads. Google Property Promotion Ads ou ações de prospecting na rede de Display da Google sobre públicos qualificados. Ou em paid social, especialmente Facebook ou Instagram, cujo desempenho melhorou muito.

  • Identifique as mudanças de tendência e adiante-se.

A recuperação será gradual e em função do mercado emissor e do destino. Para analisar a situação é crucial contar com dados e uma boa ferramenta de Business Intelligence (BI) que o alerte sobre as mudanças de tendência e para que possa adiantar-se reativando as suas campanhas de marketing com especial foco nesses mercados. Neste exemplo podemos ver a mudança de pickup nas últimas semanas do mercado alemão com destino a Barcelona.
YoY sales

  • Prepare um calendário de campanhas táticas.

Existem muito mais datas quentes onde “fazer alguma coisa” para além do Black Friday. São datas onde pode ter a iniciativa e não estar sujeito a que as OTA o façam por si. Toca aos seus clientes (email marketing), oferecer-lhes algo especial e único, reservando direto, gere vendas novas e eduque o seu cliente dessa forma. As campanhas táticas ajudam a que ganhe cota pouco a pouco e de forma mais discreta.

Só precisa de ideias sobre o que fazer, uma landing page na sua página web onde transferir os seus clientes, um carregamento bem feito no seu motor de reservas e uma ferramenta ou serviço de email marketing. Com 6-8 campanhas táticas por ano tem muito que ganhar e manter.

  • Fidelize o seu cliente.

Sem lugar para dúvidas a fidelização é o objetivo subjacente de todas as anteriores e que deve tatuar no ADN da sua equipa. Fidelizar o seu cliente significa não ter de lutar mais por captar uma venda de futuro. Mas não só fidelizar o cliente, também através do canal direto. Os hotéis com maiores índices de repetição têm sempre maiores cotas de venda direta. Tem muito do trabalho já feito.

Conseguir que os seus clientes voltem e reservem diretamente dispara a rentabilidade, ajuda-o a criar um modelo sustentável independente da intermediação e permite-lhe sair muito antes da crise que estamos a viver. São todas vantagens.

Outra grande vantagem de fidelizar é que isso lhe permite ser mais agressivo e assumir um maior custo captando a primeira venda, inclusive superando os 50% de comissão. Se consegue que os seus clientes voltem 3 ou 4 vezes nos próximos anos, este custo pode ser diluído mais rapidamente.

E não é complexo começar a fidelizar os seus clientes. Só precisa de uma proposta de valor acrescentado clara (ver mais acima), criar um vínculo com os seus clientes e manter essa relação viva ao longo do tempo com propostas de valor (não spam). Para isso, é crucial dispor de um clube de fidelização no seu canal direto (na Mirai também o podemos ajudar com o clube integrado no nosso motor de reservas) que lhe permita levar a cabo de forma bem sucedida todas as ações que comentamos anteriormente.

Conclusão

Manter a sua cota de venda direta está muito mais à mão do que pensa. Caso não faça nada e esperar que tudo volte à “normalidade”, as OTAs serão quem se irá aproveitar das muitas mudanças que vieram para ficar. Por outro lado, se analisar bem o seu hotel, entende as dinâmicas que mudaram na sua segmentação e channel mix, encontrará muitas oportunidades a explorar e não só irá manter a sua cota de venda direta como irá fazê-la crescer.

AmbiControl junta a descontaminação com o bom odor

AmbiControl, o produto que junta a descontaminação com o bom odor. O produto, comercializado pela empresa Mouraplás, representante de produtos de hotelaria, restauração, descartáveis, higiene, saúde e geriatria, é a mais recente inovação contra a pandemia e que chega ao mercado com diferentes aromas e um neutro.

O produto detém certificado de produto ecológico atribuído pela ITEL (Instituto Técnico de Limpeza Espanhol) uma vez que foi atestado o cumprimento de todos os requisitos exigidos pelas atuais normas internacionais de qualidade, biodegradabilidade e respeito pelo ambiente. Tão importante como o respeito pelo meio ambiente, é também a certificação da sua formulação, que tem por base o etanol a 70%, e a veracidade da sua ficha técnica e de segurança, o que foi confirmado.

O mesmo instituto atesta que, “pelas características do produto e conforme determinado pela OMS, esta formulação atua como um desinfetante eficaz para todos os tipos de carga bacteriana e viral, bem como na inativação de 99,99% de rotavírus e poliovírus entre outros patógenos estudados, pertencentes ao mesmo número IV do Coronavírus”.

O ITEL diz ainda que o “produto aplicado por nebulização também é eficaz contra os chamados vírus transmitidos pela noite, incluindo HBV, HCV e HIV, bem como membros de outras famílias de vírus, como o ortomixoviridae (incluindo todos os vírus influenciados por humanos e animais tais como H5N1 e H1N1), coronavirus (MERS-COV) e filovirity incluindo o vírus Ebola. Atualmente, essa solução é a melhor opção para os riscos de contágio e especificamente do vírus SARS-CoV-2, causador da infeção pelo COVID-19.”

A solução é considerada ideal para uso em múltiplas aplicações, como por exemplo: hospitais, ginásios, centros médicos, transportes coletivos, câmaras frigoríficas, hotéis, apartamentos turísticos, desodorização de têxteis, armazéns de produtos farmacêuticos, oficinas, indústria alimentar, zonas de risco de doenças respiratórias, creches, universidades, entre muitas outras.

Compatibilidade com a pele:

A ITEL certifica ainda que o uso adequado e em caso de contacto direto com a pele do usuário ou com a derme ou colágeno, não causa irritação ou qualquer outro efeito adverso à saúde.

Na fabricação do produto com efeito desodorizante, desinfetante, fungicida, bactericida e virucida ecológico, AmbiControl, o uso de cloro foi eliminado em sua produção. A contaminação orgânica da água no seu uso adequado está abaixo do que determina a legislação vigente.

A geração de menos de 3.750 kg de CO2 de combustíveis fósseis por tonelada de produto manufaturado e consumir menos de 3.000 kwh de energia elétrica por tonelada de produto fabricado, também faz com que este produto atenda aos requisitos de biodegradabilidade especificados pela legislação em vigor

Manuseamento e armazenamento:

Dada a sua composição, não requer mais cuidados do que aqueles considerados básicos, ou seja, manter fora do alcance das crianças, evitar o contacto com os olhos e em caso de ingestão, consultar um médico.

Este produto que pode ser utilizado no ViroClean, um nebulizador que pulveriza as superfícies, ou no discreto Mini Air Nebulizador aparelho cuja função é aromatizar, higienizar e purificar espaços fechados mais pequenos para assim garantir o máximo proveito da sua capacidade. Empresas, escritórios, hotéis, quartos, todos os tipos de viaturas, salas de convívio, e muitos outros espaços, são os ideais para a sua utilização e o facto de poder ser ligado a um tablet ou portátil através de um cabo USB faz deste Mini Air um aparelho com uma grande versatilidade, embora só trabalhe se estiver ligado a uma fonte de energia, ou seja, não trabalha de forma autónoma.

Existe ainda o nebulizador para espaços maiores, como centrais ou hospitais, por exemplo, que pode ser ligado diretamente a condutas de ar.

A Empregabilidade no Feminino no Turismo

Por Patrícia Correia – Diretora de Hotel

O Turismo é um dos motores da economia portuguesa e o ano de 2020 adivinhava-se extraordinário, quer a nível de resultados, quer de  número de visitantes. A ameaça que veio da China apanhou-nos a todos desprevenidos, mas o certo é que não perdemos quaisquer valências e todas as razões que nos levam a ter um destino que vence prémios mundialmente, ainda são válidas à data de hoje e assim  continuarão por muito tempo. Valências físicas, como os 850km de área costeira, os campos de golf, as ondas da Nazaré, a cultura da  capital e o artesanato dos interiores, mostram-nos que o nosso destino é realmente bonito e atrativo, mas também valências comportamentais.

O “saber receber”, o sorriso solto e a empatia dos nossos profissionais são bons exemplos de competências quase inatas do povo  português. O turismo está-nos no sangue desde há muito e a nossa simpatia natural também, sendo normal a este sector atrair muita mão  de-obra. Talvez pareça estranho trazer este exemplo como mais-valia do nosso turismo, mas para quem acha que esta mais-valia não é  assim tão especial, trago a memória de uma temporada passada na Escócia, como diretora geral de dois hotéis e de muito sentir falta desta aptidão natural nos colaboradores. Apesar de serem simpáticos, a prestação ficava sempre aquém do esperado, deixando de lado a  necessidade de saber acolher o visitante. Em terras lusas, homens, ou mulheres, a nossa prestação é de ajuda, é de naturalidade, de  sorrisos. Todos nós portugueses, emanamos um “Seja Bem-vindo” até com o olhar e vamos mais além quando se trata de agradar aos nossos hóspedes.

Em setembro de 2020, o IPDT – Instituto Português para o Desenvolvimento do Turismo estudou o tema do Emprego no Turismo e  publicou no seu blog que “Os dados de 2019 mostravam que o turismo era responsável – direta e indiretamente – por 2 em cada 10  empregos em Portugal. Além disso, 1 em cada 5 euros gerados provinham desta atividade, o que evidencia a importância do setor na  dinamização da economia nacional (fonte: World Travel & Tourism Council). Apesar de a COVID- 19 estar a afetar os números do  emprego em turismo, é importante analisar a evolução que vinha a acontecer até 2019 para compreender as principais tendências neste  domínio e determinar a sua importância para a sustentabilidade económica e social em Portugal.

Em 2019, o turismo – sobretudo nas atividades ligadas ao Alojamento e à Restauração – empregou diretamente 320 mil indivíduos e seis  em cada dez trabalhadores do turismo são mulheres.

O turismo tem um papel ativo no contributo para a igualdade do género, sendo uma  ferramenta importante para o empoderamento das mulheres. Os indicadores mostram que 58% dos trabalhadores do turismo são do  género feminino, mais 9% do que a média nacional no  total da economia (49%).”

Sem dúvida que este é um tema de que muito se tem falado em Turismo e Hotelaria, especialmente nas camadas  mais altas das hierarquias, onde estes números tendem a ser mais raros.

Sou diretora de hotel há mais de 20 anos e devo confessar que no início da minha carreira, contavam-se pelos  dedos das mãos, as mulheres que tinham este cargo. Lembro-me de duas, três, não mais do que isso eram para  mim autênticas heroínas, vistas como mulheres muto fortes e fora da caixa. Penso que talvez fosse por questões  do foro familiar, que ditavam que a vida de mães não se coadunava com a vida de uma hoteleira, ecoavam nos  bancos da Universidade e por isso, havia uma pouca procura do público feminino. Os horários longos, algumas  viagens, eventos e reuniões e jantares até tarde, não eram bem vistos no seio familiar de muitas colegas e por isso  esta tão grande desigualdade.

Na altura, além de sermos poucas, eu seria de longe a mais nova entre este punhado de mulheres hoteleiras, e por  isso, sentia-me muito diferente dos meus colegas mais velhos. Mas esses tempos já lá vão e hoje, sinto que o Turismo e Hotelaria já são feitos de mulheres e de homens de igual para igual. De profissionais do sector, independentemente do género. Nos últimos dez anos, tenho trabalhado para administrações que nos veem como  iguais e penso que esse é o futuro a traçar. Aliás já nem é o futuro, é o nosso presente.

Sim, é certo que em algumas áreas ainda se nota alguma desigualdade ou bastante numérica. Mas nos dias que  correm é com muito gosto que vejo o número de mulheres hoteleiras aumentar, e sinto que como mulher, me são dadas as mesmas oportunidades que aos colegas do sexo masculino. Sinto que a Hotelaria evoluiu muito nos  últimos anos e este foi apenas um dos aspetos da mudança. Bem positivo, devo dizê-lo. Felizmente, longe vai o  tempo em que não se promoviam mulheres em áreas como a restauração ou receção, por medo de baixas
de gravidez.

A análise muito pessoal que faço é que os novos empregadores deste ramo analisam currículos e competências,  independente do género do candidato. Facto é que também eu já senti alguma discriminação, mas devo dizer que,  o que senti se baseou na idade. Voltando de novo à veia de storytelling, nos primeiros dias como diretora geral de um novo projeto, ao mexer em relatórios que me foram dados pela administração, descobri um dia que o diretor de hotel que fui substituir, ganhava 7 vezes e meia mais do eu, e sim era do sexo oposto. Sete vezes e meia mais. Obviamente, com números na mão, não podia deixar de questionar tão grande disparidade, mas a resposta deixou-me atónita: “És muito nova, tens muito a provar.” Lembro-me de que na altura fiquei chocada e disse: “No  final do ano, o meu salário será o dobro do que aufiro hoje “. E sim, ganhei esta aposta porque mostrei realmente  o que valia. Dois anos depois, já o meu salário tinha aumentado consideravelmente, mas senti que por ser “nova” tive de provar de uma maneira muito mais marcada que o colega anterior. Esta foi das poucas vezes que em toda a minha carreira senti algum tipo de discriminação, mas apenas baseada na idade.

Mas deixando o storytelling para trás, que a hotelaria é feita de muitas histórias, baseando-me num inquérito feito pelos alunos da Escola de Turismo e Hotelaria de Portimão a 36 unidades hoteleiras regionais, apenas para podermos analisar uma amostra do tecido local e retirar dai pequenas conclusões.

Apesar de uma amostra pequena, a maioria das conclusões não surpreende. Nos cargos de Direção, o género masculino lidera com 58%, mas esta diferença já não é assim tão grande como em anos passados. Os serviços administrativos são liderados por mulheres, com cerca de 64% e na receção, a tendência inverte-se com o sexo masculino a assumir 56% dos cargos da secção.

Uma grande desigualdade é mostrada nas áreas tradicionalmente vistas como femininas, o housekeeping, com uns esmagadores 91,5%, o spa com 100% nesta amostra e a animação, com 80%. É com grande satisfação que percebo que hoje em dia, já se encontram alguns rapazes nas limpezas, e no spa e a sua capacidade é tão boa como de uma colaboradora do sexo feminino.

Do outro lado do espetro, ficam áreas tradicionalmente vistas como masculinas, como a manutenção que acusa uns sólidos 100%, e a cozinha, pastelaria e copa com valores acima dos 65%. Por esta pequena amostra percebe-se que há áreas que tradicionalmente são procuradas por candidatos de um outro género, mas tirando o housekeeping, a manutenção ou o Spa, facto é que as diferenças estão cada vez mais a esbater-se.

No inquérito questionava-se também se se considerava que as colaboradoras do sexo feminino se destacavam por  competências especificas, sendo que as mais votadas foram “Inteligência Emocional” e “Atendimento ao Cliente”. Relembro um exemplo de quando trabalhava para uma cadeia de hotéis multinacional, que à data tinha em 57  hotéis em 4 países diferentes e cerca de 40 unidades eram geridos por diretoras de hotel do sexo feminino, e precisamente pela questão da inteligência emocional. Esta era a soft skill que era mais procurada pela administração da cadeia e coincidentemente, foi encontrada na sua grande maioria em senhoras.

No que concerne a melhoria de competências por parte do género feminino, as mais votadas foram “Ter bons conhecimentos técnicos”, a “Liderança” e o “Saber trabalhar em equipa”. A parte da técnica, a manutenção sempre foi um “calcanhar de Aquiles” para a maioria das colegas do sexo feminino e isso percebe-se bem até nesta pequena amostra. Talvez por uma questão cultural, ou é simplesmente algo que não apela tanto ao publico feminino.

Relembro que estes números foram retirados de uma pequena amostra local, no entanto, penso que espelham a realidade nas unidades hoteleiras no momento.

Se há muito a melhorar? Sim, concordo. Mas no fundo, aquilo que espero, é que um dia não tenhamos que debater o tema da diferença entre géneros. Que a igualdade de género no Turismo e Hotelaria seja uma verdade inabalável, em que os cargos sejam escolhidos com base nas competências de cada candidato e não no género com que nasceu.