Estudos e Investigação

Artigo de Opinião
Por Madalena Rugeroni
Country Manager Too Good To Go Portugal

Hoje celebramos 50 anos do Dia da Terra. Em 1970 este dia foi celebrado pela primeira vez, com o propósito de criar uma consciência comum dos recursos naturais do planeta, da educação ambiental e da nossa participação como cidadãos ambientalmente conscientes e responsáveis.

E hoje, mais do que nunca, neste tempo sem precedentes em que muito se fala sobre a “recuperação” do planeta, não podemos deixar que se caminhe para o paradoxo da sustentabilidade ambiental. Que este seja um tópico ofuscado por outras questões emergentes desta pandemia, igualmente importantes e urgentes, como a segurança e a saúde pública. Até porque existe uma correlação imediata e óbvia entre ambas as prioridades – um planeta saudável é também o reflexo de uma sociedade sã e segura – e essa foi uma das maiores aprendizagens da circunstância da nossa actual realidade.

E é sobre esse facto que a Too Good To Go se propõe a reflectir, nesta realidade que era aparentemente impossível, mas que provou já ter dado origem a alterações na sociedade e no planeta que só seriam previstas (em cenários muito optimistas) num período de tempo muito mais longo. A actual pandemia abalou o mundo e estamos a testemunhar mudanças sísmicas, e a indústria alimentar e a forma como nós, consumidores, vemos os alimentos, é uma das alterações mais marcantes. Apesar de sermos uma nação valente e apaixonada por comida, o respeito por essa mesma comida perdeu-se de forma generalizada, um pouco por todos os cantos do mundo, não sendo Portugal uma excepção. E isto deve-se, muito possivelmente, ao simples facto de termos vivido numa época, e principalmente numa fatia dos afortunados, em que a comida sempre esteve disponível.

Acostumamo-nos a prateleiras cheias e a ter acesso abundante a alimentos quando e onde quisermos. Somos os sortudos deste mundo civilizado, compradores de conveniência, sempre capazes de abastecer os nossos frigoríficos sem realmente pensar no que já temos em casa.

De certa forma, e para a grande generalidade dos consumidores o laço emocional à comida, que nos permite, a todos, reconhecer-lhe o seu valor individual e colectivo, perdeu-se. Não sabemos que recursos são necessários para produzir alimentos, de onde vêm ou quem na realidade os produziu para nosso proveito. Compramos abacates do México e mirtilos da Nova Zelândia e achamos necessário ter acesso a morangos a meio de Dezembro. Em suma, e em parte por causa da sua abundância, os alimentos tornam-se numa mercadoria à qual não lhe é dado o devido valor nem respeito. E vivemos agora num cenário em que muito provavelmente, o volume de desperdício de alimentos em casa poderá ter aumentado. Seja por falta de consciência, ou pura e simplesmente, por falta de conhecimento necessário, para se distinguir inclusive se um alimento está ou não, ainda próprio para consumo, ou até porque não sabemos como o aproveitar no seu todo.

Mas porque o impossível aconteceu, e por conseguirmos reconhecer todas estas limitações, a nossa relação e respeito pela comida mudou. A partilha e a entreajuda crescem e dicas de como aproveitar os alimentos, de receitas ricas em nutrientes e munidas de uma criatividade de reaproveitamento inteligente e astuta – das mais complexas e elaboradas às mais simples e de fácil aplicação a qualquer lar, estão um pouco por todo lado. É agora crucial que nos lembremos que estas mudanças não podem ser apenas o reflexo de um condicionamento, mas sim uma aprendizagem que dele adveio, uma nova forma de estar, de comprar, de preservar, de cuidar, de trabalhar, de retribuir, de aprender – de nos alimentarmos e de respeitarmos a terra, e todos aqueles que a trabalham e todos os outros que dela dependem – todos nós.

Nas últimas semanas, e movidos por esta oportunidade de mudança e pelo aumento generalizado de solidariedade, nós na Too Good To Go, e na qualidade de empresa de impacto social e player de relevo no combate ao desperdício alimentar e redução de emissões de CO2 que dele advêm, participámos em discussões ao lado de ONGs e empresas que compõem a Green Recovery Alliance, uma aliança lançada no Parlamento Europeu com o apoio de 12 ministros do meio ambiente da UE, que assinaram um apelo por uma recuperação verde desta pandemia. Um projecto que visa apoiar planos de recuperação, que coloca a luta contra as mudanças climáticas e a perda de biodiversidade no centro da política económica europeia. Cabe-nos a todos nós percebermos o nosso impacto e trabalharmos na construção deste novo mundo.

Esta pandemia antecipa mudanças, que estavam inclusive em agenda, como a educação à distância, o trabalho remoto, a procura pela sustentabilidade, e a consciência individual e colectiva, de que todos temos de ser e agir com uma maior responsabilidade no impacto ambiental e social. É importante mantermos viva a memória de um tempo em que aprendemos a importância de conceitos e valores como
solidariedade e empatia, para com o próximo e para com o planeta e os seus recursos. Princípios básicos que nos podem levar a um novo e mais consciente modelo de consumo alimentar.

Em 2019, a região Tejo certificou mais 71,8% de vinhos face ao ano anterior. Passou assim de 13,5 milhões de litros para 23,3 milhões de litros de vinho certificado, o que corresponde a 38% do volume total de vinho produzido na Região, ou seja, 61 milhões de litros.

Há ainda muito espaço para crescer, mas não há dúvidas quanto ao esforço e dedicação dos agentes económicos da região. A aposta na qualidade da produção é contínua e o investimento na certificação dos Vinhos do Tejo é cada vez mais evidente, o que se reflecte em um crescimento exponencial. Se olharmos para o ano de 2019, no primeiro trimestre registou-se um aumento de quase 40%, tendo sido o maior de sempre. Número que subiu mais de 30% se analisarmos todo o ano.

Importa salientar que a certificação dos vinhos é uma forma de se valorizar o território, as suas uvas e, consequentemente, os vinhos, potenciando a economia local e o desenvolvimento e fixação das populações, na medida em que estamos assim a garantir que o investimento é feito na região, sendo estes néctares produzidos com uvas cultivadas e transformadas na região.

Segundo Luís de Castro, Presidente da Comissão Vitivinícola Regional do Tejo, “este crescimento exponencial deve-se ao esforço de toda a Região e não de apenas alguns agentes económicos e, por isso, estamos todos de parabéns; no entanto, ainda estamos longe do grau de certificação das maiores regiões vitivinícolas portuguesas, que chegam a certificar a quase totalidade do vinho que produzem”.

O incremento da exportação – nomeadamente para o Brasil, em primeiro lugar, seguido da Polónia e, depois, da Inglaterra, Alemanha e China – e o progressivo interesse demonstrado por parte do consumidor nacional em relação ao vinho com certificado de origem ‘Tejo’, quer através do canal HoReCa, quer por intermédio da moderna distribuição, são as principais razões do progresso desta importante actividade económica na região. 

Esta realidade deve-se ao constante aumento de notoriedade da região vitivinícola e dos seus vinhos, quer a nível nacional, quer internacionalmente, a qual é fruto do trabalho conjunto desenvolvido entre os produtores e a Comissão Vitivinícola Regional do Tejo, no sentido de aumentar a sua presença nos mercados nacional e internacional, através da criação de vinhos empolgantes com estilos diferenciados, oferecendo ao consumidor, contínua e consistentemente, referências vínicas de qualidade a bom preço.

O Turismo gerou em 2018 mais de 14,7 mil milhões de euros e 201 mil postos de trabalho na Região de Lisboa, revela o estudo realizado pela Deloitte para a Associação Turismo de Lisboa (ATL). Estes dados refletem a estimativa do impacto direto e indireto na geração de riqueza e no emprego da atividade turística.

Os resultados apresentados permitem concluir que a produção total do setor do Turismo correspondeu a 20,3% do PIB da Região de Lisboa, em 2018.

Entre 2005 e 2018, a produção total dos agentes da cadeia de valor do Turismo na Região de Lisboa registou um aumento médio anual de 11%. O nível de emprego no setor atingiu uma taxa de crescimento de 5,1%.

O desenvolvimento do Turismo tem ainda gerado um outro conjunto de impactos que beneficiam os residentes na Região de Lisboa e os visitantes, nomeadamente a requalificação urbana, e o enriquecimento da oferta sociocultural, com a criação de um maior número de eventos e atividades de animação e equipamentos de lazer.

Esta dinâmica crescente das diferentes atividades e agentes da cadeia de valor do setor é resultado de uma estratégia concertada entre parceiros públicos e privados e reflete o efeito multiplicador do Turismo, enquanto setor de elevado impacto na economia de Lisboa e do país.

José Luís Arnaut, presidente-adjunto da ATL, refere que “a forma como Lisboa tem dinamizado o desenvolvimento do Turismo tem permitido gerar riqueza nas diferentes atividades e agentes da cadeia de valor do setor, nomeadamente na construção, restauração, atividades culturais e comércio. Este é o caminho a manter, com os devidos ajustes em função da exigência, cada vez maior, associada ao patamar de excelência a que já chegámos”.

Geração de Riqueza

O valor das receitas gerado pelos estabelecimentos hoteleiros, na Região de Lisboa, continua em crescimento, desde 2012, tendo atingido o preço médio por quarto de 108,57€, em 2018. Por sua vez, o alojamento local continua a afirmar-se, tendo gerado mais 37,7% em receitas, quando comparado com 2017.

Na restauração, o aumento de 26% em receitas permitiu superar os 900 milhões de euros, em 2018, como resultado do aumento do número de turistas, do gasto médio diário por turista (cerca de 8%) e da estada média.

No setor dos transportes, o crescimento da atividade turística refletiu-se num crescimento de 13% das receitas geradas, mantendo a tendência verificada desde 2009. Entre 2017 e 2018, este crescimento situou-se nos 13,3%, o que representa um crescimento médio anual de aproximadamente 10% desde 2005.

As receitas geradas pelo Turismo de Negócios cresceram cerca de 18%, entre 2017 e 2018, tendo atingido mais de 260 milhões de euros. No que respeita ao número de participantes foi registado um aumento de 50 mil participantes, para um total de cerca de 300 mil.

No golfe, à semelhança do que já se tinha verificado em 2017, verificou-se uma melhoria das receitas provenientes de voltas realizadas por não sócios na Região de Lisboa, que representa um aumento de 5,86%.

Os gastos dos turistas no setor da cultura tem aumentado progressivamente, tendo atingido o valor de 98 milhões de euros em 2018. Face a 2017, assistiu-se a um aumento das receitas em museus e eventos e festivais de música.

A maioria dos turistas estrangeiros que visitaram Lisboa são provenientes do Brasil, França, EUA, Espanha, Alemanha, Reino Unido e Itália. Em média, gastaram 153,5€ por dia e ficaram 4,5 noites na Região. O estudo indica ainda que 95,1% chegou de avião e que 93% visitou Lisboa em lazer, sendo que 83% o fez num registo de City & Short Break. Cerca de 90% dos turistas estrangeiros visitaram Lisboa pela primeira vez.

Vitor Costa, diretor geral da ATL e presidente da ERT da Região de Lisboa, acrescenta que “estes resultados demonstram o acerto da estratégia de desenvolvimento regional do Turismo que tem vindo a ser implementada e colocam novos desafios à sustentabilidade económica, social, ambiental e territorial desta atividade, a que a implementação do novo Plano Estratégico recentemente aprovado tem que responder.”

Criação de Emprego

O emprego gerado por atividades do setor do Turismo tem vindo a crescer de forma ininterrupta desde 2013, sendo que os setores de animação turística e comércio foram os que mais aumentaram em termos de manutenção/ geração de postos de trabalho. Os mais de 96 mil postos de trabalho diretos decorrem de um crescimento de 6%, como resultado do aumento da atividade turística.