Pedro Cruz e Andreia Costa são os vencedores do Minho Young Chef Awards – 2020

Um galo marinado em vinho verde, esparregado, crocante de batata e um pickle de cebolinha deram o primeiro lugar a Pedro Cruz no Minho Young Chef Awards 2020 (MYCA) . O jovem de 18 anos foi o grande vencedor do evento que juntou o talento dos estudantes de gastronomia da região minhota.

A terceira edição do MYCA – Minho Young Chef Awards aconteceu dia 17 de dezembro na renovada praça de alimentação do Mercado Municipal de Braga.  “Foi um desafio conseguir encaixar as provas de sala e bar com as de cozinha, mas penso que no final  o resultado foi fantástico. Proporcionamos um trabalho de equipa mesmo entre diferentes escolas.”, afirmou Rafael Oliveira.

Pedro Cruz, da ETAP, foi o vencedor da categoria de Chef de Cozinha, com o prato inovador “Galo Contradição”. Pedro inspirou-se na cidade de Barcelos e na primeira refeição que confecionou com o avô. “Escolhi o usar o galo para representar a minha cidade e para honrar o meu avô e o primeiro prato que cozinhei com ele”, explica.

O domínio técnico e do storytelling foi fundamental para a atribuição do prémio ao Pedro. “O Pedro foi um concorrente que se destacou pela originalidade, técnica e preservação dos sabores e aromas tradicionais”, explica António Loureiro, presidente de júri.

A Andreia Costa, da Escola Profissional Amar a Terra Verde, foi a vencedora da categoria de Chef de Sala e Bar. O “Cocktail Jardim de Amores” foi o elemento preferido da jovem de Vila Verde, confecionado com vinho verde, Gin Valley e um xarope de laranja.

Esta edição contou ainda com a atribuição do Prémio Território ao André Carvalho que confecionou uma sopa seca à moda do minho porque, explica o jovem, “é um prato pouco conhecido mas que representa muito bem a região minhota”.

O chef estrela Michelin, António Loureiro, foi um dos membros dos júris que avaliou os seis pratos que os três participantes executaram. O restante júri de cozinha foi composto pelo chef Renato Cunha, chef Francisco Pavão, chef José Vinagre, Carlos Fernandes, Rui Miguel e pelo vencedor MYCA 2019, Rui Meira.

Este ano, o MYCA contou com novos prémios: o Melhor Serviço de Mesa para Mário Gonçalves, a Melhor Harmonização de Vinho e Cerveja para a Andreia Costa e o Melhor Serviço de Cafetaria para a Cátia Gonçalves. Os prémios foram oferecidos pela Letra, Soalheiro, Cafés Christina e Novumdux.

O evento decorreu dia 17 de dezembro no Mercado Municipal de Braga e Rafael Oliveira afirma que “a aproximação dos jovens chefs aos produtores locais foi muito bem conseguida e é uma experiência a repetir nos próximos anos”.

Teletrabalho: 70% das empresas pretendem adotar um sistema misto depois da pandemia

68% dos responsáveis de recursos humanos inquiridos para o Barómetro RH 2020/21, realizado pelo Kaizen Institute, afirmaram que as suas empresas pretendem adotar o trabalho remoto de forma estrutural, numa lógica de complementaridade em relação ao trabalho presencial. 86% dos inquiridos ponderam manter 2 ou mais dias de trabalho remoto por semana.

  • Ainda que a maioria das empresas pretenda adotar regime de trabalho misto, 85% não paga ajudas de custo aos colaboradores em teletrabalho e somente 8% pensa vir a fazê-lo.
  • 70% dos inquiridos consideram que a eficiência dos colaboradores em regime de teletrabalho será equivalente ou superior à registada num cenário pré-Covid. 30% acreditam que a eficiência será menor.
  • O Barómetro RH 2020/21 inquiriu cerca de 150 diretores de Recursos Humanos de grandes e médias empresas nacionais.

68% dos diretores de Recursos Humanos inquiridos para o Barómetro RH 2020/21, realizado pelo Kaizen Institute, afirmaram que a sua empresa adotou ou vai adotar um modelo misto de trabalho, numa lógica de complementaridade entre teletrabalho e trabalho presencial. Destas, 86% planeiam manter 2 ou mais dias de trabalho remoto por semana. Ainda que a maioria das empresas pretenda adotar um regime misto, 85% não paga ajudas de custo aos colaboradores em teletrabalho e somente 8% está a pensar fazê-lo. Apenas 30% dos inquiridos afirmam que o teletrabalho deixará de ser opção assim que as condições sanitárias o permitam.

“Esta edição do Barómetro RH 2020/21 fica marcada por um contexto disruptivo, que forçou as organizações a ajustarem-se rapidamente. Houve uma mudança notória nas relações do trabalho, desde logo através da larga adoção do teletrabalho, que deverá integrar de forma estrutural o funcionamento das organizações. Este panorama implica que se repense grande parte dos processos. Externamente, prestando o melhor serviço através da rapidez na capacidade de resposta e garantindo a qualidade para assegurar a satisfação do cliente. Internamente, com a simplificação e otimização dos processos para um grande e eficaz aumento de produtividade. Com o aumento da digitalização e do teletrabalho, a importância dos recursos humanos na transformação do tecido empresarial é fundamental. As pessoas são o verdadeiro motor das organizações, o que está intimamente ligado ao sucesso de cada negócio. O desafio do Kaizen é a concretização dos objetivos disruptivos, mobilizando a transformação diária e sustentada, com todas as pessoas, em todas as áreas, para chegar a níveis de desempenho económico e financeiro de excelência, garantindo a sustentabilidade futura das organizações”, afirma Tiago Mota Costa, Senior Partner do Kaizen Institute Western Europe.

O Barómetro RH 2020/21 revela ainda que as prioridades das empresas no que toca aos recursos humanos se alteraram. Entre os dois aspetos a que as companhias dão agora primazia estão a preparação do colaborador para diferentes cenários no médio e longo prazo (44%), e a melhoria das condições de segurança, higiene e saúde no trabalho (39%). Antes da pandemia, as duas prioridades de topo no que respeita os recursos humanos eram a retenção de talento (53%) e a contratação de novos profissionais (45%).

Apesar do contexto, 55% dos diretores afirmam que a motivação dos trabalhadores se manteve estável nos últimos 6 meses, e 24% revelam um aumento do nível de motivação dos seus colaboradores. Relativamente à produtividade, 68% comunicam que, no mesmo período, este indicador se manteve estável, e 22% referem que esta até aumentou.

Quanto à expectativa da eficiência das equipas em teletrabalho no primeiro semestre de 2021, 31% acreditam que se verificará uma maior eficiência; 39% consideram que os valores serão equivalentes aos do trabalho presencial; e 30% dos inquiridos acreditam que a eficiência será menor.

Relativamente ao processo de recrutamento, uma das principais mudanças está ligada à digitalização. A maior parte das empresas (53%) já tinha uma componente digital nos seus processos, sendo que nestas empresas a grande maioria do processo de recrutamento é agora feito online. Somente 19% mantiveram os seus processos de recrutamento inalterados.

O Barómetro Kaizen RH 2020/2021 concluiu ainda que, apesar da atual crise e do impacto negativo que se sente de forma transversal nos mercados, 69% das empresas esperam aumentar a sua massa salarial no primeiro trimestre de 2021. Destas, 34% antecipam aumentos de até 2%; 29% estimam um aumento entre 2% e 5%, e 6% preveem um aumento superior a 5%.

O Barómetro RH 2020/21 inquiriu cerca de 150 diretores de Recursos Humanos de grandes e médias empresas nacionais, com o objetivo de avaliar a resposta das organizações à situação pandémica, as principais tendências e desafios atualmente verificados na Gestão das Pessoas, bem como o grau de motivação e produtividade dos colaboradores.

 

SOBRE O KAIZEN INSTITUTE
O Kaizen Institute Consulting Group é uma empresa multinacional que fornece serviços de consultoria e formação ao tecido empresarial e instituições públicas em mais de 35 países. A empresa atua em diferentes setores de atividade, suportando as organizações e desafiando os líderes a melhorarem a sua rentabilidade e a fazerem crescer o seu volume de negócios. Fundado em 1985, na Suíça, está em Portugal, com escritórios no Porto e em Lisboa, desde 1999.

Fortaleza do Guincho mantém estrela Michelin pelo 19º ano consecutivo

Um dos mais prestigiados refúgios gastronómicos do país, a Fortaleza do Guincho assegurou nesta segunda-feira a manutenção da sua estrela Michelin. O triunfo no guia Michelin 2021 Espanha/Portugal vem sublinhar a qualidade do trabalho feito pela equipa do restaurante da Fortaleza do Guincho, liderada por Gil Fernandes.

Para o jovem chef, a renovação da distinção é fruto da consistência que caracteriza a Fortaleza do Guincho há quase vinte anos. “Nós mantivemos a estrutura tanto a nível do menu como da equipa, assegurando todos os standards de qualidade. Em 2021, seguiremos o nosso caminho, assente no sabor, na qualidade do produto português, na apresentação e no serviço, proporcionando experiências felizes aos nossos clientes“, assegura.

A Fortaleza do Guincho recebe assim a insígnia de uma estrela Michelin pelo 19º ano consecutivo – premiado pela primeira vez em 2001, é o mais antigo restaurante do país em atividade a ter recebido tal distinção, que simboliza “uma cozinha de grande delicadeza pela qual merece a pena parar”.

Para os inspetores do guia vermelho, a cozinha do chef Gil Fernandes “encontra inspiração no mar” e constrói-se “sempre tendo por base os melhores produtos, cuidadas apresentações e uma perfeita execução; tudo numa linha gastronómica atual que, na sua essência, valoriza as raízes do receituário tradicional português”.

Um desejo para o final de 2020? Regressar à Fortaleza do Guincho para desfrutar de uma experiência gastronómica inesquecível.

 

Packs disponíveis para o Natal e Réveillon:

Menu de degustação no dia 24 de dezembro (jantar) e 25 de dezembro (almoço e jantar) – 105 €/pax sem harmonização de vinhos ou 150 €/pax com harmonização de vinhos.

Programa de réveillon com duas noites de alojamento com pequeno-almoço, jantar de réveillon com vinhos selecionados e brinde de Champanhe à meia-noite – 980 €/2 pax em quarto Courtyard com vista parcial praia ou 1.100 €/2 pax em quarto superior com vista mar

Jantar de réveillon com vinhos seleccionados – 295€/pax

As reservas devem ser feitas com antecedência para o email reservations@guinchotel.pt ou para o número de telefone 214 870 491.

Algarve tem seis restaurantes com estrelas Michelin e ganha uma nova distinção

A edição de 2021 do Guia Michelin confirma para o Algarve seis restaurantes com uma e duas estrelas, e distingue, pela primeira vez, o Check-in Faro na categoria “Bib Gourmand” pela ótima relação qualidade/preço.

O novo Guia Michelin para 2021, que chega hoje às bancas, foi apresentado ontem à noite, numa cerimónia transmitida de forma virtual a partir de Madrid (Espanha).

Na edição de 2021 do conceituado guia, a região do Algarve contabiliza seis restaurantes: o Ocean (Lagoa) e o Vila Joya (Albufeira), galardoados com duas estrelas (‘cozinha excecional, merece o desvio’); e o Bon Bon (Carvoeiro), o Gusto by Heinz Beck (Almancil), o Vista (Portimão) e o Vistas (Vila Nova de Cacela), distinguidos com uma estrela Michelin (‘cozinha de grande nível, compensa parar’). A novidade surge com o prémio “Bib Gourmand” atribuído ao Check-in Faro (‘ótima relação qualidade/preço’, vale a pena ir). Este junta-se ao restaurante Avenida (marina de Lagos), também incluído na mesma categoria.

João Fernandes, presidente do Turismo do Algarve, congratula-se com as distinções do famoso guia, referindo que «o Algarve é sinónimo de boa gastronomia, pela forma ímpar como combina qualidade, variedade, tradição e criatividade, e privilegia a incorporação dos produtos típicos sazonais. Este é o contexto que encontramos no destino e é o que fica registado nesta nova edição do conceituado Guia Michelin, o qual ano após ano tem vindo a distinguir a excelência da cozinha algarvia».

«Este é também um importante reconhecimento à restauração algarvia, sobretudo no momento que estamos a atravessar. Os empresários e trabalhadores bem o merecem! O turismo gastronómico é um dos nossos produtos turísticos estratégicos, no qual vamos naturalmente continuar a apostar», conclui o responsável do turismo algarvio.

Faro e Olhão colaboram em projeto de Realidade Aumentada para a Ria Formosa

Projeto do Município de Faro, em parceria com autarquia de Olhão, foi um dos três distinguidos, de 13 apresentados a nível nacional, e vai contar com financiamento do Turismo de Portugal no valor de 125 mil euros

Um projeto inovador desenvolvido pelos Municípios de Faro e Olhão foi um dos três distinguidos a nível nacional pelo Turismo de Portugal e pelo Instituto de Planeamento e Desenvolvimento do Turismo no âmbito da segunda edição do Programa Nacional de Qualificação Local Autárquica para o Turismo. Este projeto consiste na criação de um mapa interativo da Ria Formosa, com recurso a realidade aumentada, que vai permitir identificar pontos de interesse, espécies protegidas, gastronomia, sítios emblemáticos ou ofertas culturais.

Esta iniciativa do Município de Faro, em parceria com a autarquia de Olhão, que recorre a tecnologia de ponta, foi um dos três projetos distinguidos, de um total de 13 apresentados a nível nacional.

Esta aplicação, cujas características vão de encontro à Estratégia do Turismo 2027 e que será financiada pelo Turismo de Portugal com um montante de 125 mil euros, visa promover e dinamizar este ecossistema única a nível nacional e internacional, tendo em conta a sensibilização ambiental, o conhecimento associado às espécies, nomeadamente o cavalo marinho, a sua preservação, bem como os aspetos ligados à vida dos pescadores e de quem vive de, e na Ria Formosa. O objetivo passa por aumentar o interesse por este destino de excelência para o turismo de Natureza.

Através da tecnologia da Realidade Aumentada, que permite sobrepor elementos visuais à nossa visão de realidade, os visitantes poderão ficar a saber curiosidades, agendar visitas, solicitar pedidos de informação, fazer partilhas nas redes sociais, entre outras experiências.

Entre os principais fatores para a escolha deste projeto, destacam-se a natureza coesa dos dois territórios (Faro e Olhão), a diferenciação e inovação da proposta e ainda a sua preocupação em assegurar a valorização económica deste património natural, ao mesmo tempo que garante a sustentabilidade ambiental e manutenção do modo de vida da comunidade local.

Este projeto vai agora contar com a tutoria de um responsável do Turismo de Portugal, que visa concertar a ideia proposta e ajudar os proponentes na estruturação do projeto de desenvolvimento final.

Les Roches Marbella lança “Spark” Innovation Sphere

  • Suportado pela experiência do Grupo Sommet Education, líder na formação em Gestão Hoteleira, e pelo recentemente inaugurado Innovation Hub da Les Roches Crans-Montana (Suiça), “SPARK” foi criado com o objetivo de se tornar uma das iniciativas mais importantes da indústria da última década, a partir de uma instituição de ensino 

A partir de 3 de dezembro, a Les Roches Marbella Global Hospitality Education vai tornar-se um campus tecnológico vivo, mais um passo importante para a consolidação da posição de liderança em formação em gestão hoteleira e turismo de luxo. “SPARK” é um projeto global que tem por objetivo reunir experts em tecnologia digital, influenciadores e inovadores da indústria de hotelaria sob a esfera da Inovação.

Concebido como uma plataforma bidirecional e alimentado pelo talento de alunos, profissionais, professores e empresas, “SPARK” Innovation Sphere da Les Roches é, segundo Carlos Díez de la Lastra, Diretor Executivo da Les Roches Marbella, “a oportunidade de “entrelaçar o talento de nossos ex-alunos, estudantes e profissionais de mais de 90 países com os interesses e necessidades de um setor que exige, hoje mais do que nunca, apostar na tecnologia como forma de crescimento. Os nossos licenciados vão ser atores vitais neste novo ecossistema digital de hospitalidade e turismo”.

Uma vez inaugurado, o campus Les Roches Marbella vai tornar-se um ambiente de inovação aberta, onde soluções são criadas e testadas com o objetivo de desenvolver o futuro da hotelaria através de tecnologia experimental (Inspire).  Haverá também um espaço para marcas, empresas e fornecedores partilharem tendências de mercado e avaliarem o impacto da tecnologia e inovação no desenvolvimento do negócio (Ignite).  E ainda uma incubadora de empresas, formada por professores e especialistas que ajudam os novos empreendedores a concretizarem as suas ideias inovadoras no sector do turismo (Incubate). Tudo isto acompanhado por novos módulos de ensino que visam adquirir os conhecimentos essenciais para competir com garantias de sucesso (Inspire & Ignite).

Como ponto de partida “SPARK” (https://lesroches.edu/spark-innovation-sphere) conta com o apoio e colaboração da Câmara Municipal de Marbella e de oito empresas de tecnologia ligadas à robótica, (Macco Robotics), automação e controlo de espaços (Enkoa), materiais (Valyro), automação residencial inteligente (Miralay), segurança inteligente (Assa Abloy), mobiliário (ID projects), experiência (Astroland), gastronomia (Natural Machines) e turismo de vanguarda. Cada uma destas empresas irá lançar diferentes projetos na sua área de negócio com o objetivo de envolver também toda a comunidade Les Roches no seu desenvolvimento e crescimento. “SPARK” Innovation Sphere by Les Roches conta já com 12 propostas criativas, 11 das quais em fase de pré-incubação e uma em fase de desenvolvimento. A indústria da hotelaria segundo Carlos Díez de la Lastra “está perante um dos períodos mais emocionantes da formação especializada em hotelaria”.

Registo para o evento online do lançamento de “Spark” (Dezembro 3 – 14:00): https://zoom.us/meeting/register/tJ0ldeqvqD8qGtyNqxhBSwOc1LrRl90nX1fk